Arquivos para : Brizola

O Grande Projeto social da Igreja, pluralista, mas com linhas claras a favor do povo

A 2ª. Semana Social, em 1993, como pode ser visto na revista SEDOC (n. 239, de julho/agosto de 1993, p. 95), expõe claramente o ideal histórico da Igreja, no documento “Para uma democracia”, anticapitalista, com participação e difusão de “bens, serviços e poder”.

A cada sete de setembro, a CNBB repisa a mesma mensagem, também repisada nas Campanhas da Fraternidade.

Junte todos os documentos da CNBB, todos os artigos dos bispos católicos, e há o esboço de uma Democracia popular participativa, um vasto Estado social e econômico, trabalhista, economia mista, nacionalista, populista, campesino, cooperativista, operário, artesão, pequeno burguês etc. 

Há a mesma concepção e o mesmo ideal de uma democracia popular real, na linha editorial das principais revistas, jornais e editoras católicas. 

Há a mesma linha em revistas francesas, como “Lumiére et Vie”, ligadas a homens como Christian Duquoc e outros.

Esta é, no fundo, a mesma linha do MST, dos Fóruns Sociais, da Assembléia Popular e de outras organizações ligadas à Igreja.

Também era este, grosso modo, o ideal de homens como Darcy Ribeiro, Brizola, Severo Gomes, Monteiro Lobato, Cândido Portinari (1903-1962), José Carlos de Assis, Ariano Suassuna, Henfil, Betinho, Frei Betto, Leonardo Boff, Clodovis Boff e outros.

O melhor da Tradição política do Brasil defende um extenso Estado social, economia mista, democracia participativa popular, difusão de bens e poderes, etc

Uma democracia popular e social, um grande Estado social, um socialismo com economia mista e liberdades, era também o sonho de homens como Rui Barbosa, Olavo Bilac, Joaquim Nabuco, José do Patrocínio, Antônio Pereira Rebouças, André Rebouças, João Mangabeira, Maurício Lacerda (teísta, adepto de um socialismo democrático), San Tiago Dantas, o general Lott, Adalgisa Nery, Gabriel de Resende Passos, Domingos Velasco, Franco Montoro, Brizola, Barbosa Lima Sobrinho, Hélio Silva, Tancredo Neves, Juscelino e Arthur Bernardes (destaque para sua luta anti-imperialista nos anos 40 e 60).

Getúlio Vargas, filiado ao PTB, apesar de erros castilhistas (há também a parte boa do legado de Júlio de Castilhos), defendeu um socialismo cristão e um trabalhismo nacionalista que seriam a ante-sala de um socialismo brasileiro.

Getúlio criou a Petrobrás, a Fábrica Nacional de Motores (para enfrentar a multinacional GM e outras), a siderurgia estatal, consolidou e ampliou a legislação trabalhista e de seguridade social, etc.

A importância de Getúlio foi reconhecida pelo PCdoB, pelo PDT, PTB, PT, Hora do Povo e outras correntes.

Os textos de homens como Prestes, Humberto Bastos, Nélson Werneck Sodré, Brizola, Tancredo Neves, Juscelino, Rômulo Almeida ou Enrique Dussel reconhecem seus méritos.

A linha getuliana (1930-45 e, especialmente, 51-54) é, grosso modo, a linha de Cárdenas (1934-1940), Perón (1945-55 e 1973-74), tal como era a de Hipólito Irigoyen (1918-1930) ou de José Battles y Ordonez (1856-1929), no Uruguai. Neste sentido, até homens como Gustavo Capanema puseram suas pedras na construção de um Estado mais ligado ao povo.

Há também a meta de uma democracia social e popular nos textos de católicos como: José Américo, Ulisses Guimarães, Miguel Arraes, Plínio de Arruda Sampaio, Paulo de Tarso Santos, Teotônio Villela (vide o livro “Projeto emergência”, Rio, Codecri, 1983), Oswaldo Lima, Sérgio Buarque de Holanda, Antônio Cândido, Henfil, Osvaldo Aranha (1894-1960, do Partido Trabalhista), Flores da Cunha, Osvaldo Bandeira de Melo, Marcos Freire, padre Nobre (antigo PTB e MDB-MG), padre Godinho (errou na UDN, mas foi para o MDB e teve a honra de ser cassado) e milhares de outros políticos e escritores brasileiros, alguns com atuação só em suas pequenas cidades.

O ideal sagrado de um extenso Estado social, de ajuda aos trabalhadores

O ideal de um extenso Estado social, planificador, com estatais, regulamentador, dirigista, redistributivista, que difunda os bens é o ideal de uma verdadeira democracia popular, social e econômica.

Foi esta a diretriz (linha principal, linha geral) de Alceu Amoroso Lima, Plínio de Arruda Sampaio, Frei Betto, Frei Jean Cardonnel (na França), Frei Josaphat Pinto de Oliveira (o principal teórico do jornal “Brasil, Urgente”), Barbosa Lima Sobrinho, Ruy Cirne Lima, Edgar de Godói da Mata Machado, Oswaldo Lima Filho, Franco Montoro, Pinto Ferreira, San Tiago Dantas, Jorge de Lima, Rui Barbosa, João Mangabeira, Domingos Velasco, Paulo de Tarso Santos, Francisco Mangabeira, o general Lott, Getúlio Vargas, João Goulart, Brizola, Arraes, Dom Hélder, Lebret, Lercaro e dos teólogos da libertação (Gutierrez, Dussel, Assmann, os Boff, Moltmann, James Cone, Harvey Cox e outros).

Também é o ideal de milhares de grandes teólogos da libertação na África, na Ásia, na Oceania, nos EUA e na Europa.

Rui Barbosa e a Tradição da Igreja, em busca do ideal concreto histórico de um grande Estado social

Rui Barbosa, um dos maiores católicos do Brasil, foi candidato a Presidente do Brasil, em 1919. Pois bem, na plataforma de 1919, Rui atacou a “concepção individualista dos direitos humanos” e se declarou democrata social (nome, na época, para socialista democrático) católico.

O individualismo capitalista, núcleo do liberalismo econômico, foi criticado por autores como Adam Müller (1779-1829), Buchez, Ketteler, Ozanam, Comte, Duguit e outros grandes autores.

Rui Barbosa destacava a importância da “transformação incomensurável nas noções jurídicas”, com a expansão dos “direitos sociais”, onde “a esfera do individuo tem por limites inevitáveis, de todos os lados, a coletividade”. Esta tendência representava, para Rui, o fato que “o direito vai cedendo à moral, o indivíduo à associação, o egoísmo à solidariedade humana. Estou, senhores, com a democracia social”, a democracia social da Igreja, do Cardeal Mercier e de outros.

Rui disse, então: “aplaudo no socialismo o que ele tem de são, de benévolo, de confraternal, de pacificador”.

Disse também que o socialismo, quando busca distribuir os bens e “obstar a que se concentrem, nas mãos de poucos, somas tão enormes de capitais” “tem razão” (cf. vol. XLVI, tomo I, das “obras completas”, “Campanha presidencial” de 1919, Rio de Janeiro, Ed. MEC, 1956, p. 81).

No mesmo sentido de Rui, há os textos de Clóvis Bevílaqua (filho de um padre, padre errado, mas padre…), sobre o primado da ética sobre o direito e a importância do direito ser ético e social. O conceito de Bevílaqua sobre o direito é um conceito cristão. Em frases como “o direito” é “um processo de adaptação das ações humanas à ordem pública”, Bevílaqua adota o conceito de ordem em Santo Agostinho, a ordem é a organização da sociedade para o bem comum.

A luta por uma democracia social e popular avançada, um extenso Estado social, economia mista, democracia popular participativa, é o ideal histórico dos principais católicos e cristãos militantes, como mostram os textos de grandes estrelas do catolicismo. 

Estrelas como: Alceu, Barbosa Lima Sobrinho (dando continuidade á linha católica de Barbosa Lima, de Getúlio Vargas e outros grandes católicos), Miguel Arrais, Ariano Suassuna, Frei Betto, Betinho, Henfil, Plínio de Arruda Sampaio, Paulo Freire, Paulo de Tarso Santos, Marcos Arruda, Leonardo Boff, Márcia Miranda, Clodovis Boff, Paulo Fernando C. Andrade, Paulo Bonavides (por exemplo, “Do Estado liberal ao Estado social”), padre Aloísio Guerra (“A Igreja está com o povo”, Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1963), João e Francisco Mangabeira, Cândido Portinari (um pouco católico, pois é nosso maior pintor de arte sacra e dos oprimidos), San Tiago Dantas, Brizola (católico no início, depois metodista, sendo que o metodismo é bem próximo do catolicismo), nossos grandes bispos e arcebispos, especialmente Dom Hélder Câmara (ver sua entrevista na revista “Veja”, em 1978, com o elogio de um “socialismo humano”).

Há a mesma linha nos melhores textos da CNBB, em Medellin, Puebla e também nos melhores textos papais, como será demonstrado neste blog, em milhares de postagens. 

O elogio de Nélson Werneck Sodré a Getúlio Vargas

Sodré elogiou Getúlio Vargas, em inúmeros artigos, de 1930 a 1995. Um dos melhores elogios está numa entrevista, dada por Sodré, ao jornal “Movimento” (n. 18, 03.11.1975), com o título “O essencial não mudou”. Sodré responde a várias perguntas sobre Vargas. Elogia a criação da Justiça trabalhista, das leis trabalhistas, da Previdência, da Petrobrás, tal como do voto feminino etc. No final, conclui que Vargas passará para a História, como o “homem que defendeu os interesses brasileiros e que, por isso, pagou com a vida”.

Concordo.

Darcy Ribeiro e Brizola tinham a mesma opinião. Idem para Tancredo Neves e Juscelino, getulistas históricos. 

Alguns dos grandes expoentes da Democracia Popular no Brasil, estrelas, faróis

Dom Hélder Câmara, Alceu Amoroso Lima, Frei Betto, Dom Luciano Mendes de Almeida, Cândido Mendes de Almeida, Sérgio Buarque de Holanda, o melhor do ISEB, Betinho (Herbert José de Souza), Henfil, Dalmo de Abreu Dallari, José Oscar Beozzo, Fábio Konder Comparato, Antônio Cândido de Mello e Souza, Maria Victoria de Mesquita Benevides, Frei Clodovis Boff, Leonardo Boff, Francisco Whitaker Ferreira, Alberto Torres, Barbosa Lima Sobrinho, Eduardo Suplicy, Goffredo da Silva Telles Jr, Emir Sader, Plínio de Arruda Sampaio, Alberto Pasqualini, Otto Maria Carpeaux, Pontes de Miranda, Osny Duarte Pereira, Sérgio Magalhães, Domingos Velasco, Francisco Mangabeira, João Goulart, General Horta Barbosa, Patrus Ananias, Paulo Freire e outros. 

Manoel Bonfim, Celso Furtado, Theotônio dos Santos, Paul Israel Singer, Azis Nacib Ab´Saber, Alfredo Bosi, José Luís Fiori, Michael Lowy, Juarez Guimarães, Marilena de Souza Chaui, Maria da Conceição Tavares, Brizola, Darcy Ribeiro, Roberto Cochrane Simonsen, Aloizio Mercadante e outros.  

Socialismo trabalhista e economia mista, ótima mistura

Um socialismo (socialização) parcial, com economia mista, democracia popular, Estado social, sistema tributário redistributivo etc.

Esta é a melhor solução para sairmos do capitalismo. Isso foi ensinado pro Theotônio dos Santos, Neiva Moreira, Brizola, Dom Hélder, João Goulart, Getúlio Vargas, os trabalhistas, Saturnino Braga, Santhiago Dantas, Alceu, Celso Furtado e até por Azevedo Amaral, Darcy Ribeiro, Adalgisa Néri, Oswaldo de Andrade, Pagu, Jorge Amado e outros. 

Hoje, é o caminho defendido pelos maiores partidos de esquerda no Brasil, como o PT, o PSOl, o PCdoB, o PDT, o PSB e outros. 

Era o caminho do New Deal, de Roosevelt, Duguit, Harold Laski. 

Também era a fórmula de Buret, que inspirou Frederico Engels. Era o caminho de Stuart Mill, Hobson, de Zola, Jaures, dos possibilistas, de Bernstein, Nasser, Getúlio, Peron, Tito, Mandela, do NEP de Lenin e Bukharin, da Democracia Popular, dos Socialistas democráticos, das Frentes Populares, dos PDCs, de Cárdenas, Battle, Luís Blanc, Victor Hugo, do ISEB, de Domingos Velasco, Francisco Mangabeira, de Pio XI, do trabalhismo escandinavo (Suécia, Noruega, Dinamarca, Islândia, Finlândia), da Irlanda católica, do IRA, dos melhores quadros do Partido Democrático dos EUA, do Partido do Congresso trabalhista na Índia, dos trabalhistas da Austrália e da Nova Zelândia e dos melhores expoentes da Doutrina social da Igreja. 

Razões para uma boa economia mista

Economia mista foi o modelo delineado por Pio XI, na “Quadragesimo anno” (1931), modelo elogiado pelo grande jurista nacionalista, Osny Duarte Pereira.

Hoje, o socialismo de mercado ou economia socialista de mercado, adotado pela China, é basicamente economia mista, ainda que mereça críticas pela complacência com bilionários. Mas adota um modelo de economia mista.

Economia mista é também adotado pelo Vietnam, Cuba, a própria Coréia do Norte, África do Sul nos moldes de Mandela, Japão, pela Índia, Federação Russa, países escandinavos, países da Oceania, países africanos e nos melhores modelos latino-americanos. 

Economia mista foi defendida por Bernstein, Jaures, os fabianos, H.G.Wells, Chesterton, os socialistas democráticos, os peronistas, Cárdenas, Nasser, Tito, Bukharin e mesmo pela NEP, na URSS.

A NEP foi criada por Lenin e durou até 1928/1929, sendo um modelo de economia mista. A tese da convergência entre socialismo e capitalismo, defendida sob o mote da coexistência, por Kruschev, no fundo, defendia economia mista e atenuou bastante os erros de Stalin.

Os trabalhistas ingleses (e escandinavos, israelistas, da Oceania), também defendiam economia mista. Idem para Irã, os grandes nacionalistas da Guatemala e da Indonésia. E o mesmo para o modelo de democracia popular e para as Frentes populares.

Todo o movimento nacionalista, em geral, adota economia mista. No Brasil, foi este o modelo de Getúlio Vargas, de Domingos Velasco, Barbosa Lima Sobrinho, Brizola, Neiva Moreira, pelo PSB de João Mangabeira, Sérgio Buarque de Holanda, Roberto Lyra, Darcy Ribeiro, Alceu, João Goulart, até de Juscelino, Sérgio Magalhães, General Lott, sendo retomado, depois, por Lula e Dilma. 

Mandela defendia o mesmo modelo de Pio XI. Estatais para grandes meios de produção, Estado, economia mista, planificação participativa, amplo amparo do Estado aos trabalhadores, doentes, educação pública, saúde pública etc.  

Malcolm X e os muçulmanos negros dos EUA também defendem economia mista. Os Panteras Negros, idem. A Frente Ampla, no Uruguai, defende o mesmo. O socialismo africano, idem. 

Na Europa, o movimento da Democracia cristã defendia economia mista. E, por isso, fez extensas alianças com os Partidos socialistas democráticos. Isso ocorreu na França com De Gaulle, na Itália (basta pensar em Aldo Moro, querendo estender a aliança mesmo com os eurocomunistas).

Na Itália, as alianças da Democracia Cristã com o Partido Socialista foram apoiadas pelos Papas João XXIII e Paulo VI.

Na Inglaterra, os católicos votam em peso nos Trabalhistas, que defendem economia mista. Nos EUA, votam no Partido Democrático, que leva a bandeira do New Deal, de Franklin Delano Roosevelt, defendendo economia mista, Estado social, sistema tributário redistributivo (elogiado por Piketty).

No Canadá, os católicos votam em partidos em prol da cooperatização, das estatais, do Estado social. Idem para a Irlanda, com um dos IDHs maiores do mundo, baseado em Estado social, democracia popular, economia mista (e isso inclusive no Sinn Fein e no IRA). 

Economia mista é formada por difusão de bens para cada pessoa, cada família, milhões de micro, pequenas e médias empresas em geral familiares, mais cooperativas, estatais e planejamento participativo (regulamentações, controles estatais). E altos tributos para ricos e subsídios para pessoas de baixa renda, que as complementem. Renda universal, sistema tributário redistributivo. Estado social amplo. É isso que chamo de modelo de economia mista ou democracia popular. 

Economia mista foi defendida por Buchez, Ketteler, De Mun, Heinrich Pesch, Toniolo, Oswald von Nell-Breuning, Maritain, Gustav Gundlach, Mounier, Dom Hélder, Hans Kung e pelos grandes teólogos da libertação. Idem para os melhores escritores da doutrina social da Igreja, incluindo Alceu, padre Fernando Bastos de Ávila e milhares de outros. 

Na Alemanha, a esquerda do CDU coincidia com o SPD, na defesa da economia mista. Os melhores textos de Ludwig Erhard eram pela “economia social de mercado”, um modelo atenuado e aguado de economia mista. Ludwig Erhard (1897-1977) seguia as ideias da Igreja e de grandes escritores como Franz Oppenheimer (1864-1943). Os melhores keynesianos do mundo todo também são pró economia mista, basta pensar em Galbraith.

 

 

 

Os bispos católicos das Antilhas defendem socialismo participativo, economia mista, Estado social, democracia popular

José Marins e equipe, no livro “De Medellín a Puebla” (São Paulo, Edições Puebla, 1979, p. 138), transcreveu um texto dos Bispos das Antilhas que mostra a mesma concepção de socialismo humanista e participativo, exposta neste blog.

Um modelo de socialismo participativo, humanista, comunitário, personalista foi e é recomendado por expoentes e simpatizantes da Igreja, como Dom Hélder, Dom Pedro Casaldáliga, Dom Tomás Balduíno, Dom Mauro Morelli, Alceu, Marciano Vidal, Frei Betto, Chico Alencar, Plínio de Arruda Sampaio, Selvino Heck, Frei Anastácio, João Pedro Stédile, Ivan Polleto, Paulo Freire, Madre Cristina Sodré, Patrus Ananias, Pedro Ribeiro de Oliveira, Dom Tomás Balduíno, Antônio Cândido (católico socialista e humanista), Azis Simão, Hélio Pellegrino, Paulo Freire, Henfil, Betinho, Sérgio Buarque de Holanda, José Gomes da Silva (expoente em prol da reforma agrária, autor do livro “Reforma agrária brasileira na virada do século”), Luci Choinacki e outros.

As Antilhas abarcam as ilhas britânicas, holandesas e ligadas à França. Vejamos o texto antológico e exemplar da Conferência Episcopal das Antilhas, dos Bispos das Antilhas:

“Uma sociedade que reclama a si o pensamento socialista deve ter como objetivo assegurar a seus membros, particularmente aos operários e aos agricultores, diretamente implicados na produção, uma parte das responsabilidades na sua própria concepção, o que implica não somente em compartilhar a propriedade, mas também numa par­ticipação no poder de decisão, em todos os níveis.

A participação dos trabalhadores da indústria sempre se constituiu num tema capital da formação social do cristão.

Para o socialismo, representa uma exigência fundamental, posto que todas as revoluções devem ser feitas em nome dos agricultores e dos operários.

Atualmente, subsiste o perigo de que uma nova elite privilegiada venha a substituir a antiga e, por conseguinte, de que os trabalhadores voltem a viver no mesmo estado de opressão anterior. Devemos estar particularmente atentos para es­se perigo, se não quisermos simplesmente mudar de patrões. (…)

Nenhum sistema socialista é aceitável se ele destrói os direitos fundamentais…

Longe de destruí-las, o verdadeiro socialismo, aceitável para o cristão, deve combater para defender essas liberdades e inclusive para ampliar o seu campo.

Cabe-lhe o dever de assegurar que esses direitos fundamentais sejam respeitados, no interesse de todos, de sorte que essas orientações da liberdade de cada ser humano não se convertam em outra forma de escravidão. (…)

a Igreja jamais defendeu a propriedade privada como um direito absoluto.

O único direito absoluto que ela defende é o destino universal da criação e, conseqüentemente, o direito do indivíduo a pos­suir o que necessita para si mesmo. (Antilhas, documento da Conferência Episcopal, 21-11-1975)”.

Uma democracia popular, social, era também o sonho de homens como Rui Barbosa, Olavo Bilac, Joaquim Nabuco, José do Patrocínio, Antônio Pereira Rebouças, André Rebouças, João Mangabeira, Francisco Mangabeira, Maurício Lacerda (teísta, adepto de um socialismo democrático), San Tiago Dantas, o general Lott, Adalgisa Nery, Gabriel de Resende Passos, Domingos Velasco, Franco Montoro, Pedro Simon, Brizola, Barbosa Lima Sobrinho, Hélio Silva, Tancredo Neves, Juscelino e Arthur Bernardes (destaque para sua luta anti-imperialista nos anos 40 e 60). Quase todos estes políticos eram católicos. 

Getúlio Vargas, filiado ao PTB, apesar de erros castilhistas (há também a parte boa do legado de Júlio de Castilhos), defendeu um socialismo cristão e um trabalhismo nacionalista que seriam a ante-sala de um socialismo brasileiro. Criou a Petrobrás, a Fábrica Nacional de Motores (para enfrentar a multinacional GM e outras), a siderurgia estatal, consolidou e ampliou a legislação trabalhista e de seguridade social, etc. A importância de Getúlio foi reconhecida pelo PCdoB, pelo PDT, PTB, PT, Hora do Povo e outras correntes. Os textos de homens como Prestes, Humberto Bastos, Nélson Werneck Sodré, Brizola, Tancredo Neves, Juscelino, Rômulo Almeida ou Enrique Dussel reconhecem seus méritos. A linha getuliana (1930-45 e, especialmente, 51-54) é, grosso modo, a linha de Cárdenas (1934-1940), Perón (1945-55 e 1973-74), tal como era a de Hipólito Irigoyen (1918-1930) ou de José Battles y Ordonez (1856-1929), no Uruguai. Neste sentido, até homens como Gustavo Capanema puseram suas pedras na construção de um Estado mais ligado ao povo. O mesmo vale para Borges de Medeiros, várias vezes governador do RS, que se converteu ao catolicismo, morrendo como bom católico e republicano. 

Há também a meta de uma democracia social e popular nos textos de católicos como: José Américo, Ulisses Guimarães, Miguel Arraes, Plínio de Arruda Sampaio, Paulo de Tarso Santos, Teotônio Villela (vide o livro “Projeto emergência”, Rio, Codecri, 1983), Oswaldo Lima, Sérgio Buarque de Holanda, Antônio Cândido, Henfil, Osvaldo Aranha (1894-1960, do Partido Trabalhista), Flores da Cunha, Osvaldo Bandeira de Melo, Marcos Freire, padre Nobre (antigo PTB e MDB-MG), padre Godinho (errou na UDN, mas foi para o MDB e teve a honra de ser cassado) e milhares de outros políticos e escritores brasileiros, alguns com atuação só em suas pequenas cidades.

No fundo, há a mesma linha nas velhinhas beatas, nos analfabetos que trabalham no eito das lavouras dos latifúndios e sonham com a abolição das grandes fortunas privadas e com a mediania. O ideal é que todos tenham inclusive “modesto pecúlio com a parte” da remuneração economizada (cf. Pio XI, na “Quadragesimo”), sem miséria e sem fortunas privadas. Sobre Rui Barbosa, basta ler sua biografia redigida por João Mangabeira e o livro “A questão social e política no Brasil” (Rio, Ed. LTR, 1983, com prefácio de Evaristo de Morais Filho).

A base de uma democracia participativa e de todas (ou quase todas) as formas de socialismo é a doutrina sobre o destino universal da criação, com a exigência de compartilhamento (participação nos planos, no controle efetivo) dos bens e do poder. Logo, a gestão dos bens deve ter o controle efetivo dos trabalhadores e da sociedade. O mesmo vale para o poder, que é a ação da sociedade, uma forma de controle da sociedade, através de planos mais extensos. Este “controle social” deve ser difundido, tendo em conta a soberania e o domínio eminente da sociedade.

No Brasil, a leitura dos textos da CNBB e especialmente de nossos melhores bispos (Dom Tomás Balduíno, Moacir Grechi, Hélder Câmara, Pedro Casaldáliga e tantos outros) são concretizações da Tradição viva (a “lei oral” ou Paidéia hebraica, cf. Gamaliel e os fariseus), explicitações (concreções) do melhor do pensamento ético de nosso povo.

Algumas tolices de Francisco Weffort, e alguns acertos, sobre getulismo e o populismo

Francisco C. Weffort, pensador cooptado por FHC, suspeito, deixou alguns textos, com erros e acertos. No ensaio “O populismo na política brasileira” (Rio, Paz e Terra, 2 ed., 1977), ele diz que o populismo foi uma forma de cooptação dos trabalhadores, por Getúlio, mas também admite que foi a forma de eclosão o movimento popular. A “expressão política da emergência popular” no processo econômico e político, do Brasil. Pelo menos, reconhecia uma parte boa no getulismo e no populismo. 

Já Boris Fausto, socialista de origem judia, também reconheceu pontos bons no getulismo. Lembro que Getúlio não era antissemita, pois nomeou um grande judeu, chamado Horácio Lafer, para seu Ministro da Fazenda. Horácio Lafer era também filósofo e deixou alguns bons textos sobre filosofia. Boris Fausto escreveu o livro “A revolução de 1930”.

O getulismo pressupunha intervencionismo estatal, planejamento público, estatais, direitos sociais e trabalhistas. E estes pontos estão corretíssimos. Sigo a mesma opinião que Jarbas Medeiros, Alceu Amoroso Lima, Jesus Soares, Angela de Castro Gomes e outros. Até Azevedo Amaral deixou bons textos sobre economia, intervenção estatal e nacionalismo. O grande Darcy Ribeiro e Brizola também sempre foram apologistas do getulismo. João Goulart foi talvez o maior apologista de Getúlio. Homens como Agamenon Magalhães, Sérgio Magalhães, o general Lott, Salgado Filho, Juscelino e outros, e mesmo Tancredo Neves, eram getulistas. 

— Updated: 23/04/2018 — Total visits: 25,709 — Last 24 hours: 64 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas