Arquivos para : com o apoio da Igreja. A aliança não foi condenada

A Tradição socializante da Igreja, dos católicos, no Brasil e no mundo

A doutrina social da Igreja é formada pela confluência entre o melhor da civilização grega-romana (e fenícia, egípcia, persa, suméria, babilônica, hindu, bantu etc) e o melhor da Tradição hebraica. Esta confluência ou síntese forma, no prisma humano, o cristianismo. Depois, há a Tradição dos Santos Padres, a Escolástica, São Tomás Morus, o abade Saint Pierre, os grandes santos, Mably, Morelly, o bispo Gregório, o bispo Faucher e outros, indo para os precursores da doutrina social (no sentido estrito) e os grandes Papas.

Todas estas fontes confluem em vários movimentos, especialmente a Ação Católica, dirigida principalmente por Alceu e Dom Hélder, no Brasil. Outro marco foi a A.P (Ação Popular, que surgiu da JUC), que defendia idéias de socialismo participativo, com liberdade. Os textos dos irmãos Betinho e Henfil trazem a mesma concepção, relacionando socialismo e democratização radical da sociedade. Esta concepção faz parte das entranhas do PT.

Dom Ivo Lorscheiter, que foi presidente da CNBB, propôs, em 1983, um modelo social cooperativista para o Brasil. Teve, ainda, uma militância na ação comunitária e cooperativista, na região de Santa Maria/RS. Seu irmão, Dom Aloisio Lorscheiter, em Fortaleza, defendia idéias semelhantes.

Outros bispos, como Dom José Gomes, Dom Hélder, Dom Casaldáliga, Dom Paulo E. Arns, Dom Tomás Balbuíno e muitos outros, defenderam idéias socializantes e democráticas (e muitos usaram o termo “socialista”). Vários bispos usaram corretamente a expressão socialismo com liberdade, ou socialismo personalista, ou socialismo participativo. Os marcos são Alceu e Dom Hélder. Na mesma linha, autores como Barbosa Lima Sobrinho, Getúlio, João Goulart, Brizola, San Thiago Dantas e centenas de outros. 

A CNBB, numa Mensagem da Comissão Central, na Páscoa de 1963, defendeu várias reformas de base essenciais, propostas por João Goulart, citando João XXIII e Getúlio Vargas, especialmente a reforma agrária (anti-latifundiária), a empresarial (formas de co-gestão e de participação na propriedade e nos lucros que visavam abolir o regime salarial), tributária (preferência pelos tributos diretos e progressivos, como forma de obter a justiça social, o bem comum), administrativa (democratizando o Estado), eleitoral e do sistema educacional.

Estas idéias eram defendidas, antes, por pensadores cristãos como Loewenstein, Vogelsang e Breda, que queriam a superação do regime assalariado, o mesmo fim almejado pela Liga Democrática belga e aprovada num Congresso de pensadores cristãos, em Roma, em 1894.

O Pe. Luigi Sturzo, na Itália, seguiu idéias semelhantes, que ecoaram na opção de Aldo Moro de aceitar amplas coligações com os socialistas e comunistas. Os governos de coalizão entre democratas cristãos e socialistas, na Itália, desde 1946, ficando mais forte em 1962, demonstram a mesma posição doutrinária. Na Itália, o PDC tinha várias correntes. Alcide Gasperi controlou o PDC após a segunda guerra e colaborou para melhorar a Itália, promulgando uma Constituição, com muitos pontos positivos e aceitava coligações com os socialistas. 

Depois, Amintore Fanfani passou a controlar parte do partido, graças a seguidores na Universidade de Católica de Milão. Aldo Moro, nascido em 21.09.1916, controlava um segmento mais à esquerda. Aldo Moro foi Ministro da Justiça e Ministro da Educação e várias vezes deputado federal. Aldo guiou o PDC na aliança com os socialistas, com o apoio da Igreja. A aliança não foi condenada, pois as idéias socialistas já tinham sido objeto de discernimento e depuração, estando adequadas à doutrina da Igreja. Além disso, muitas idéias socialistas tinham origens bíblicas, ou seja, no próprio Deus. Aldo Moro também admitia coligação com os comunistas. Este movimento foi que gerou o atual Partido Democrático, na Itália, com católicos sociais, socialistas e comunistas italianos eurocomunistas do antigo PCI. 

Fanfani, na década de 30, escreveu bons textos anticapitalistas. Na década de 60, defendeu a coligação com os socialistas. Depois, infelizmente, foi se tornando complacente com o capitalismo, até ser afastado da direção do PDC. Aldo Moro reforçou a ligação com os socialistas e tentou uma aliança com os comunistas, até ser assassinado. Há historiadores que apontam o dedo da CIA, pois a morte de Moro favoreceu as multinacionais.

As atividades da CIA mostram a face cruel e imperialista dos governantes dos EUA, representantes das multinacionais. O livro recente de Lincoln Gordon, que foi Embaixador dos EUA no Brasil, no período do golpe militar de 1964, confessa o que foi apurado na CPI do IBAD: que a CIA, tal como as multinacionais, financia e dá dinheiro (compra as consciências, forma traidores) para candidaturas de parlamentares e governantes, que defendem políticas da preferência do FMI e das multinacionais. Mais claramente, a CIA organiza a atuação das multinacionais, do latifúndio e do grande capital nacional (oligarquia), para o controle do Estado brasileiro. A esquerda combate isso, lutando por um Estado popular, de todo o povo. 

Pular para a barra de ferramentas