Arquivos para : afirmo que eu também sou cristão. Partindo das convicções e dos objetivos que sustento. (…) Não é preciso ser cristão

Fidel Castro: “sou cristão”, “desde o ponto de vista social”, com base no “programa socialista radical” que há nas ideias de Cristo

Fidel Castro fez uma importante declaração, no livro “Cien horas con Fidel” (Havana, Cuba, Ed. Publicaciones del Consejo de Estado, 2006, p. 45 ), de Ignacio Ramonet (então diretor do jornal Le Monde Diplomatique, mensário de esquerda).

Ao falar de José Martí, que também era cristão revolucionário, Fidel diz que “seu programa era o mais humano e o mais avançado possível”, tendo uma “linha” que terminava em “um programa socialista”.

Depois, Fidel acrescenta: “É o que eu digo também do Novo Testamento e da pregação cristã. Com as pregações [ideias] de Cristo se pode fazer um programa socialista radical”. 

Fidel acrescenta que “outro dia, eu estava dizendo a Chávez, o presidente da Venezuela, porque Hugo Chávez é cristão e fala muito disso: se me chamam cristão, não desde o ponto de vista religioso, mas sim desde o ponto de vista social, afirmo que eu também sou cristão. Partindo das convicções e dos objetivos que sustento. (…) Não é preciso ser cristão, no sentido religioso, para compreender os valores éticos e de justiça social que aportou aquele pensamento”.  

Pular para a barra de ferramentas