Arquivos para : dezembro2017

Beluzzo mostra a importância da ECONOMIA MISTA, Estado intervindo na economia

Colhi no 247 – “Eduardo Maretti, da RBA – Em seminário do qual participou em dezembro de 2014, nove meses depois de deflagrada a operação Lava Jato, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo alertou: “Estou observando uma tendência na sociedade brasileira de achar que não tem importância destruir a Petrobras e as empreiteiras”.

Na ocasião, disse que era preciso combater a corrupção, mas ao mesmo tempo preservar a estatal e as grandes construtoras, “responsáveis por uma parcela muito importante do investimento no país”. O economista recomendava “substituir a direção das empresas e preservá-las”.

Três anos depois, a avaliação de Belluzzo se confirma, com o país em recessão e a Petrobras sofrendo uma perversa política de desinvestimento, a indústria naval em rápida decadência e os empregos do setor de óleo e gás em depressão profunda.

A constatação do economista, hoje, não poderia ser outra. “Eles estão destruindo não só o setor, estão destruindo todos os espaços de coordenação da economia brasileira, que foram sendo construídos ao longo de 50 anos. Mesmo os governos militares não abandonaram isso, continuaram preservando as estruturas de coordenação: a relação entre empresa estatal e privada, Tesouro, bancos etc.”, diz Belluzzo à RBA.

“Essa é a maior forma de organização da economia capitalista, que na sua forma mais avançada são os chineses que estão fazendo. E nós estamos desfazendo.”

Graves crises em potências mundiais, como na nação mais poderosa do planeta, ou problemas de corrupção em empresas multinacionais gigantes, mostram como países resolvem ou tentam resolver seus problemas internos, mas preservam sua própria economia, seus interesses e seu povo.

“Vamos pegar os Estados Unidos, por exemplo. Eles puniram os caras que praticaram infrações penais. Mas destruíram algum banco que produziu a crise do subprime?”, lembra, em referência à crise do setor financeiro de 2007-2008, decorrente dos empréstimos hipotecários norte-americanos de alto risco. “Isso é tão óbvio no mundo inteiro que eu fico espantado que a gente tenha que falar isso.”

Outro exemplo, também mencionado pelo coordenador da Frente Única dos Petroleiros, José Maria Rangel, é a gigante coreana Samsung, cujo herdeiro e vice-presidente, Lee Jae-yong, foi condenado e preso por corrupção pela Justiça da Coreia do Sul.

“Está preso. E eles destruíram a Samsung? Não”, afirma Belluzzo. Em sua opinião, promotores, juízes e membros do sistema judiciário brasileiro, de modo geral, não conseguem entender um aspecto crucial e básico: “Na verdade, a empresa é uma instituição social, e aqui eles – desatinadamente – quase que praticamente destruíram um setor, o setor de óleo e gás, onde se tinha muitos investimentos a se fazer.”

Uma das questões que se relacionam com essa incapacidade de compreensão é “a visão parcial” de promotores e juízes que comandaram o processo da Lava Jato. “Eles não são capazes de avaliar, porque não têm formação para isso, o que é um defeito da especialização. Não estou dizendo que estão fazendo de propósito, mas não sabem o que estão fazendo.”

O economista não se mostra adepto de teorias da conspiração segundo as quais as ofensivas contra a Petrobras e as empreiteiras fazem parte de uma estratégia deliberada. “O pessoal diz que estavam fazendo um serviço para as empresas estrangeiras ocuparem o mercado. Mas eles não precisavam estar a serviço de ninguém, estavam fazendo o serviço por conta própria, por causa das limitações deles. Não têm nenhuma noção. Isso é uma coisa típica de um país que tem mecanismos de controle e avaliação muito precários”, avalia.

E depois de tudo, “o governo entrou na conversa da privatização da Petrobras. Prosseguiram no caminho equivocado”.

Seja como for, o serviço de juízes, promotores e do sistema de Justiça contou certamente com a providencial colaboração da mídia nativa. “Claro que teve o papel da imprensa também, muito negativo. Ela não esclareceu a população sobre nada e continua não esclarecendo. Então eles foram em frente e causaram um enorme prejuízo ao país, e ajudaram na recessão.”

Uma lição da Desembargadora federal, Dra. Simone Schreiber

Colhi no 247 – “Desembargadora do TRF2 e professora de Direito Processual Penal da Unirio, Simone Schreiber classifica a condução coercitiva como “um ato violentíssimo e ilegal”, que “só tem razão de ser por sua dimensão de espetáculo”.

Critica o “espetáculo de humilhação da pessoa investigada. Não serve para rigorosamente mais nada, só para a polícia federal fazer sua propaganda institucional, mostrando sua ‘eficiência no combate ao crime'”, acrescenta.

Dra. Simone é uma das autoras do voto que deu liberdade ao almirante Othon Pinheiro. Ela frisa que “nem o suicídio do Reitor Cancellier serviu para fazermos uma autocrítica”.

Diz ainda : “Está mais do que na hora de refletirmos sobre nossos atos, sobre o papel que a Justiça Federal tem desempenhado nessa crise institucional e para onde estamos indo”, conclui”. 

Prisões inferno do Brasil, Gulag, campo de concentração e tortura

Colhi no 247 –

“O total de pessoas encarceradas no Brasil chegou a 726.712 em junho de 2016.

Em dezembro de 2014, era de 622.202.

Houve um crescimento de mais de 104 mil pessoas.

Cerca de 40% são presos provisórios, ou seja, ainda não possuem condenação judicial. Mais da metade dessa população é de jovens de 18 a 29 anos e 64% são negros.

Dados são do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgado hoje (8), em Brasília, pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça”. 

Uma boa lição penal de um velho economista, Bresser Pereira

Colhi no site 247 – “O economista e cientista político Bresser Pereira condenou em manifesto publicado em sua página no Facebook a ação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais, com a condução coercitiva do reitor Jaime Arturo Ramirez em para apurar suposto desvio de R$ 4 milhões em recursos públicos na construção do Memorial da Anistia Política do Brasil;

“Esta é mais uma violência contra os direitos civis dos brasileiros praticada por uma Polícia Federal e um Poder Judiciário arbitrários, que conduzem coercitivamente e, portanto, “prendem” de forma espetacular, midiática, cidadãos portadores de direitos os quais, antes da violência policial-judiciária, não colocaram qualquer obstáculo a prestar o depoimento exigido”, escreve Bresser”. 

Bresser envelhece e melhora, como um bom vinho. Está correto.

Condução coercitiva é apenas para casos restritos, após o suspeito se negar a se apresentar, após a polícia intimar uma ou duas vezes. E não deve ser midiática, como se expusesse o suspeito num colarinho, para execração pública. 

— Updated: 20/07/2018 — Total visits: 30,837 — Last 24 hours: 31 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas