Arquivos para : A “Fórmula” POVO SOBERANO: combater a espionagem da CIA, NSA, FBI, MI 6, Mossad, DEA etc, cãozinhos das multinacionais, servos do grande capital imperialista

A morte da Veja suja e marrom, imitadora de Rupert Murdoch

O horrível bolsonaro…

Resultado de imagem para charges bolsonaro

O comentário brilhante e genial de Paulo Henrique Amorim, sobre os erros de Moro

Militares da reserva de direita são asquerosos, deveriam estar no campo nacionalista

Do 247 – “General Paulo Chagas, da reserva, candidato ao governo do Distrito Federal pelo PRP com apoio de Jair Bolsonaro, ameaçou o desembargador Rogério Favreto, do TRF-4, por sua decisão de ordenar a libertação imediata de Lula. Ele usou sua conta no twitter para ameaçar o magistrado: GAUCHADA!!!!! O nome dele é Rogério Favreto, é um desembargador petralha, está de plantão no TRF4. Será fácil encontra-lo para manifestar-lhe, com a veemência cabível, a nossa opinião sobre ele e sua irresponsabilidade. Ele é + um apaixonado pelo ladrão maior. Conversem com ele!!”

Os Ministros neoliberais de Temer golpe baixo

Há uns cartunistas geniais…

Resultado de imagem para charges contra imperialismo

Como atua a Cia na América Latina e no mundo, cães de guerra do grande capital

Resultado de imagem para charges contra imperialismo

Até o Estadão critica as manipulações e jogo baixo de Fachin e Carmen

Do meu querido site de leitura diária, o 247 – “Até o vetusto Estado de S. Paulo decidiu condenar as manobras do ministro Edson Fachin contra o ex-presidente Lula, subvertendo o princípio do juiz natural. “Não cabe às partes, e tampouco a um juiz, escolher arbitrariamente qual é a instância judicial competente para o feito”, diz o texto. Confira abaixo:

“Fuzuê

O STF deixou de ser uma casa onde se pratica o Direito, para se transformar numa casa de jogos, onde o que importa é ganhar e não interpretar e aplicar corretamente as leis

Previsto para ser o guardião da Constituição Federal e o cume hierárquico do Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal (STF) deixou de ser uma casa onde se pratica o Direito, para se transformar numa casa de jogos, onde o que importa é ganhar e não interpretar e aplicar corretamente as leis. Sem o mínimo pudor, juízes da Suprema Corte operam os mais variados estratagemas para conseguir que as causas sob sua competência tenham o resultado que almejam.

Que fique bem claro o que se tem visto no STF: não são as partes, compreensivelmente interessadas num determinado desfecho do caso, que estão jogando. São os próprios ministros, cujo cargo exige isenção e imparcialidade, os jogadores desse intrincado tabuleiro.

A cada semana há um novo lance e já não se sabe com segurança o que pode e o que não pode ser feito no Supremo. Os processos caminham num clima de forte insegurança jurídica. (…) Passo seguinte, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, despacha um recurso da defesa do sr. Lula da Silva para o plenário da Corte, mas a defesa desejava que o caso fosse resolvido na Segunda Turma.

O assunto tem enorme relevância, uma vez que não cabe às partes, e tampouco a um juiz, escolher arbitrariamente qual é a instância judicial competente para o feito. É imperioso respeitar, sem exceções, o princípio do juiz natural e aplicar o procedimento legal previsto. No entanto, o atual Supremo não parece muito afeito a essas questões jurídicas, por mais relevantes que elas sejam num Estado de Direito. O rigor técnico tem cada vez menos importância. O que importa é a perspicácia de antever os movimentos dos outros ministros e assegurar um jeito para que sua posição prevaleça. É assim que se pratica a tavolagem na Suprema Corte.

Outra jogada habitual no STF – indecentemente habitual – são as decisões liminares que, num passe de mágica, se tornam definitivas. A tática é melhor ainda quando empregada às vésperas do recesso do STF. (…)

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes externou sua avaliação sobre o atual Supremo Tribunal Federal. “Acho que estamos caminhando bem, o Supremo voltando a ser Supremo”, disse o otimista ministro. Isso seria ótimo, se fosse correto. O Supremo tem-se tornado cada vez menor, com sua miríade de decisões que exalam protagonismo, posturas ideológicas e o que mais seja. Assim, fica muito difícil que o Supremo tenha autoridade e, principalmente, que cumpra o seu papel constitucional de baliza do bom Direito. Já não se vislumbra um único colegiado, mas tão apenas a performance individual de seus integrantes e, agora, já também o comportamento de suas turmas e de seu plenário. Onde há esse tipo de divisão não há uma Suprema Corte – há um fuzuê.

Os golpes baixos, as trapaças e truques sujos no STF.

Praga bolsonariana é semente do fascismo, mistura de Estado social zero (mínimo) e Estado policial prisão para pobres máximo. Asqueroso

— Updated: 19/09/2018 — Total visits: 35,519 — Last 24 hours: 108 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas