A genealogia do direito natural é a mesma da genealogia do poder legítimo

A genealogia do direito natural, matriz do direito positivo, é a mesma do poder público, do Estado, pois a essência do poder legítimo são as regras naturais e benéficas que protegem e promovem o bem comum.

Pio X, na “Il fermo proposito”, ressaltou que é um dever dos católicos (de todas as pessoas) “empregar todos os esforços para que as leis públicas sejam informadas pela justiça [regras exigidas pelo bem comum, geral], e aquelas que se lhe opõem sejam corrigidas ou suprimidas”.

Conclusão: as idéias, as necessidades e as aspirações do povo, que traduzem as exigências do bem comum (“do bem social”, “individual” e “doméstico”, nos termos de Pio XI, na carta ao Cardeal Segura) refletem, em regra, as idéias de Deus, ainda que dentro dos limites humanos e no modo humano.

Com base nesta premissa, Bento XVI escolheu, para a intenção geral do Apostolado da oração, no mês de julho de 2007, que guiaria as orações de todos os católicos, a seguinte intenção: orações “para que seja dada a possibilidade a todos os cidadãos, individualmente e em grupo, de participar ativamente na vida e na gestão do país”, ou seja, na elaboração e execução das decisões econômicas, sociais, políticas, culturais, na gestão das sociedades em que participem.

Comentários estão fechados.

Pular para a barra de ferramentas