Eduardo Frei Montalva foi um grande católico, que preparou a aliança entre católicos e socialistas, no Chile. Eduardo Frei fez a chilenização (estatização, nacionalização) do cobre, das jazidas de cobre, no Chile, preparando o governo popular de Salvador Allende.

Eduardo Frei, no livro “La política y el espiritu” (Santiago do Chile, Ed. Ercilla, 1940, p. 178, com prefácio da escritora católica, Gabriela Mistral, ganhadora do Nobel de literatura), transcreve o seguinte trecho de Henri de Man sobre as fontes teóricas da democracia social:

As concepções jurídicas que suscitaram estas lutas [pela “libertação das classes” oprimidas] tiveram uma origem muito mais remota que os textos constitucionais de 1776 e 1789. Têm sua origem, como toda a democracia, no republicanismo ou corporação da Idade Média, nos princípios igualitários do cristianismo. Quando Bernard Shaw define o sentimento democrático como o respeito absoluto do homem a seus semelhantes, expressa a mesma ideia cristã da semelhança entre Deus e o homem e da imortalidade da alma, o que indica que o todo ser humano deve estimar-se a si mesmo, governar-se e assumir a responsabilidade dos atos que realiza, criar seu próprio destino. Somente em uma sociedade cujas instituições e costumes são fundadas em séculos de sentimento cristão, pode o mais humilde dos cidadãos ter um conceito da dignidade humana, segundo o qual todos os seres humanos devem fruir dos mesmos direitos dentro da coletividade humana”.

Henri de Man (1885-1953) foi o principal dirigente do Partido Socialista Belga. Escreveu obras como “Além do marxismo” (1922), “A idéia socialista” (1933) e “Plano de trabalho” (1934). Man esposava as idéias acima expostas.

Comentários estão fechados.

Pular para a barra de ferramentas