Arquivos para : CEF

Estatais federais são essenciais para a soberania nacional, do povo

Colhi no site Agência Brasil – “As empresas estatais fecharam o terceiro trimestre deste ano com 506.852 empregados, o menor número desde 2010, quando havia 497.036 servidores. Os dados são do Boletim das Empresas Estatais, divulgados hoje (4) pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

O secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, Fernando Antônio Ribeiro Soares, disse que 506 mil empregados não é o número final para 2017.  Soares afirmou que é “factível” terminar este ano com menos de 500 mil empregados. “Meu objetivo é recuperar as empresas estatais, reduzir os custos, aumentar a produtividade, aproximar-se cada vez mais de indicadores de mercado. As empresas estatais têm que apresentar sustentabilidade.”

Nos três primeiros trimestres deste ano, houve redução total de 26.336 empregados. As principais reduções foram na Caixa Econômica Federal (7.199), nos Correios (7.129), na Petrobras (4.019) e no Banco do Brasil (2.676).

Soares enfatizou que a redução no quadro ocorreu por meio de planos de desligamento voluntário (PDVs). Ele citou uma lista de empresas que lançaram ou estão elaborado PDVs neste ano: Caixa, Companhia de Recursos de Pesquisa Mineral (CPRM), Eletrobras, Infraero (PDV contínuo), Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (Eletrobras CGTEE), Dataprev, Banco do Nordeste, Casa da Moeda, Codesa, Valec, Amazul, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Banco da Amazônia, Correios e Indústrias Nucleares do Brasil (INB).

O secretário acrescentou que o governo está limitando a reposição de pessoal após o plano de desligamento voluntário, para evitar que saiam empregados “por uma porta e entrem por outra”. “Em alguns dos PDVs, cortamos 100% das vagas. Isso está implicando essa redução do quadro de pessoal”, destacou.

“A redução das empresas estatais está em linha com todo o cenário fiscal que a gente está enfrentando. É notório saber que o maior desafio do governo é o reequilíbrio das contas públicas. Na busca o equilíbrio fiscal, um ajustamento do tamanho do estado acaba por ser necessário, isso é fundamental”, disse Soares.

De acordo com o secretário, o número de estatais brasileiras (149, atualmente) está em linha com o mundo. Soares acrescentou que, no Brasil, as empresas estão concentradas na área financeira e em infraestrutura. “Não temos uma meta de redução das empresas estatais”, acrescentou. “A preocupação não é meramente fiscal. Temos que entender o setor onde a empresa estatal está inserido. Tem que analisar caso a caso, setor a setor.”

Resultado das estatais
O lucro dos conglomerados estatais federais chegou a R$ 23,2 bilhões, nos nove meses do ano, comparado a igual período de 2016. Banco do Brasil, Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Caixa, Eletrobras e Petrobras representam mais de 95% dos ativos totais e do patrimônio líquidos das estatais federais.

Do orçamento das estatais neste ano, no valor de R$ 1,3 trilhão, neste ano, 73% foram executados. Em relação a 2016, houve redução de 13,2% no orçamento”.

No Brasil, sempre houve economia mista e a parte estatal deve aumentar

Dom João VI criou várias estatais, como o Banco do Brasil e outras. Muito antes do marxismo, existiam estatais, que são antigas, sendo a base da corrente do Mercantilismo, com Colbert e outros. Em 1880, o Banco do Brasil captava metade dos depósitos bancários. A CEF já existia, em 1861. Depois, foram criadas ainda várias Caixas Econômicas estaduais e bancos estaduais, como Banco de Crédito Real de Minas Gerais (1889), o Banco da Paraíba (1912), o do Piauí (1926), São Paulo (1927), Paraná (1928), Rio Grande do Sul (1928) e outros, até que o entreguista do FHC passou a desmontar e doar boa parte destes bancos estaduais. Em 1890, o Governo Federal controlava dez estradas de ferro, tendo ainda o controle da Estrada de Ferro Central do Brasil. O Estado também controlava várias companhias de navegação, que seriam agrupadas, depois, no Lóide Brasileiro. Em 1979, a União passou a controlar a Light, a maior empresa privada no Brasil, na época. Depois, FHC doou a Light. 

Em outros posts, vou citar as outras estatais, com destaque para a Companhia Vale do Rio Doce, a Companhia Nacional de Siderurgia, a Companhia Nacional de Álcalis e outras. Quase todas doadas pelos neoliberais, cachorrinhos dos bilionários.

Pular para a barra de ferramentas