Durante toda nossa vida temos visto recomendações e proibições de determinados alimentos em função dos benefícios ou danos que eles podem trazer à nossa saúde. Manteiga, gordura animal, pele de frango e muitas outras coisas, entre elas o ovo. Considerado durante muitos anos como um vilão que aumentava colesterol e outros riscos para a saúde.

Felizmente a ciência avança e hoje alguns destes tabus caíram por terra: manteiga, gordura de porco são agora benéficos e não vilões. O mesmo ocorre com o ovo.

O ovo, que era considerado um forte responsável pelo aumento do colesterol e criador de riscos cardiovasculares, era limitado a um consumo máximo de 2 ou 3 por semana e com restrições. Novos estudos comprovaram o contrário e hoje ele é altamente recomendado e obrigatório em dietas saudáveis. Não deve ser evitado, ao contrário deve ser consumido largamente e sem risco (apenas as pessoas alérgicas ficam proibidas de consumi-lo). 

O ovo é um alimento completo. Se imaginarmos que ele tem tudo para se transformar num ser vivo completo e saudável isto significa que ele é cheio de bons elementos. Nutritivo, rico em vitaminas e minerais e é na gema que se encontra a maior concentração destes  elementos: rica em ferro, vitaminas A e B, zinco, fósforo, selênio… outro elemento importante encontrado na gema é a Colina, muito importante para o cérebro, coração e músculos. Ela acelera o metabolismo e ajuda no emagrecimento.

A clara é rica em proteína, ou albumina que absorvida pelo organismo ajudando na reparação e construção muscular. Todos os aminoácidos essenciais necessários são encontrados nela nas quantidades certas. Ajuda a manter a sensação de saciedade, é livre de lactose e gorduras.

Todas estas qualidades encontradas no ovo, hoje considerado alimento essencial e obrigatório, são acrescidas da vantagem de ser um forte aliado para o emagrecimento, justamente por estas qualidades acima mencionadas.