Arquivos para : Livros bons

“O quarto poder”, livro de Paulo Henrique Amorim, que recomendo muito, contra o maldito PIG (grande Mídia, Máfia)

Imagem relacionada

Recomendo todas as obras de Rex Stout, sobre o magnífico Nero Wolfe

Resultado de imagem para Nero Wolfe

Bom livro – “Nitroglicerina pura”, de Joel Silveira e Geneton Moraes

O livro de Joel Silveira e Geneton Moraes Neto, “Nitroglicerina pura” (Rio, Ed. Record, 1992), é excelente. Traz textos da Embaixada britânica no Brasil, e do Serviço Secreto Inglês (SIS, MI-6), sobre o alto escalão do Estado, no Brasil. 

Os textos foram colhidos no Arquivo Público, em Londres. O texto afiado de Joel Silveira é outro ponto alto do livro. 

Mostra o procedimento da Embaixada inglesa (destaque para a gestão do Embaixador Gurney, na década de 30) de colher dados e elaborar detalhados “Quem é quem” da vida pública no Brasil, com verbetes para cada homem público. Espionagem pessoal. 

O livro também tem dados da Biblioteca do Congresso, nos EUA, com verbetes feitos pela Embaixada dos EUA, descrevendo políticos brasileiros, apontando os “aliados” do imperialismo, e os nacionalistas, que recebem críticas, xingamentos e adjetivos torpes. 

Nestes verbetes, pelos elogios veementes, fica claro quem eram os políticos ligados ao MI 6 e aos interesses das multinacionais britânicas. Mostra os queridinhos da CIA.

Deixa claro, também, quem eram os políticos inimigos do imperialismo, os grandes nacionalistas, os getulistas, os trabalhistas, os socialistas democráticos, os comunistas etc

A pesquisa examina os anos 20,30 e 40, indo, às vezes, até os anos 60.

Fica provado, claramente, que o Serviço de Inteligência (Serviço Secreto, espionagem) Secreto (MI-6) ESPIONA a vida dos políticos e agentes públicos do primeiro escalão, inclusive com descrições de defeitos físicos, de fofocas, dados sobre a vida conjugal, se consumiam bebidas, corrupção, crescimento patrimonial pessoal etc.

Os relatórios deixam claras as ligações de Carlos Lacerda e de Jânio Quadros com o imperialismo. 

 

 

Bom livro de Tereza Campello, “Faces da desigualdade no Brasil”

Do 247 – “A ex-ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tereza Campello informou que lança nesta segunda-feira (27) a publicação Faces da Desigualdade no Brasil – um olhar sobre os que ficam para trás, durante o Colóquio Internacional: O desafio da igualdade no Brasil e na América Latina.

De acordo com a ex-ministra, trata-se de estudo sobre o que ocorreu com os mais pobres no Brasil no período de 2002 – 2015 sob a perspectiva do acesso a direitos, serviços públicos e bens de consumo. “Os resultados são impressionantes e vão surpreender!”, disse ela.

Em setembro, durante entrevista ao 247, a ministra do governo Dilma afirmou que “o Brasil corre o risco de voltar para o mapa da fome” (veja aqui).

O evento contará com a participação de destacadas personalidades do campo político e acadêmico da América Latina e da Europa. O relatório foi coordenado pela Dra. Tereza Campello, pesquisadora da FIOCRUZ e ex ministra de desenvolvimento social do governo Dilma Rousseff.

Werner Keller, “E a Bíblia tinha razão…” (ed. Melhoramentos, 2012), ótima obra

Werner Keller, após várias expedições arqueológicas, escreveu, em 1955, o livro “E a Bíblia tinha razão”. Obra excelente. Pode estar desatualizada, pois depois de 1955 ocorreram várias pesquisas e descobertas.

Trata-se de uma obra excelente, pois mostra como os dados arqueológicos respaldam a narrativa do texto da Bíblia. Situa acontecimentos no tempo, expõe uma cronologia, situa geograficamente, dentro do contexto da história e da geografia.

Obra que recomendo muito. 

“Inimigos, uma história do FBI”, de Tim Weiner, ed. Record.

O livro de Tim Weiner, do jornal “New York Times”, é a história (biografia de Hoover) do FBI, que é, principalmente, uma agência de inteligência, e não uma agência de polícia. O FBI, de certo modo, superou a ANS, a CIA, a Agência de Inteligência de Defesa e outras. Supera em muito o DEA etc. O FBI é uma mistura de KGB com Gestapo.

A arma mais poderosa do FBI sempre foi o recrutamento ou infiltração, criando agentes duplos (X 9). Infiltrar por agentes disfarçados ou cooptando informantes, criando infiltrados, e depois semear mentiras (desinformação, intrigas) e mesmo instigar condutas ilícitas para prender em flagrante (agentes provocadores). Plantar infiltrados era a base do Programa de Contra-inteligência (ConIntelopro), a arma mais poderosa da inteligência.

Como a CIA, a arma suprema era sempre a corrupção de alguém dentro da organização a ser espionada, cooptando, criando informantes, infiltrados, X 9. 

O FBI chegou a ter infiltrados em Moscou, infiltrados no Partido Comunista, na Ku Klux Khan, nos Panteras, nas lideranças do movimento negro etc.

“Um marido ideal”, uma peça linda de Oscar Wilde

A peça “Um marido ideal” (Rio, Ed. Ediouro, 2001), de Oscar Wilde, é uma das melhores peças que já li. Tem trechos inteligentes como “informações confidenciais são praticamente a origem de todas as grandes fortunais atuais”.

Trata de corrupção, de venda de segredos estatais, de grandes capitalistas investindo em obras e projetos, como o Canal de Suez, o Panamá, um canal na Argentina etc. E ainda tem trechos lindos como: “o que eu sei é que a vida não pode ser compreendida sem muita caridade, não pode ser vivida sem muita caridade. É o amor, e não a filosofia alemã, que explica este mundo, seja qual for a explicação do outro mundo”.

Lendo a peça, entendo a razão de Oscar Wilde ter morrido como católico, e ter escrito o livro “De profundis”. 

Cibilis da Rocha Viana, um grande nacionalista e trabalhista

Cibilis da Rocha Viana, no livro “Estratégia do desenvolvimento brasileiro” (Rio de Janeiro, Ed. Civilização Brasileira, 1967), analisa o papel do Estado como agente do desenvolvimento. Adota as mesmas ideias de Lebret e de Gunnar Myrdal, um grande sueco. Termina o livro com um “esboço de um programa nacionalista”, baseada no reforço do mercado interno, no combate à evasão de divisas, na luta contra o imperialismo. Defende reformas estruturais, como participação nos lucros. O mesmo que o General Anapio Gomes defendia, quando era o Coordenador de Getúlio, da Comissão de Mobilização Nacional, em 1944. O livro de Cibilis tem excelente apresentação de Cid Silveira. Ótimo livro mesmo, que recomendo. Coincide, em linhas gerais, com o modelo da doutrina social da Igreja. 

— Updated: 22/07/2018 — Total visits: 30,849 — Last 24 hours: 32 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas