Arquivos para : Expoentes horríveis do neoliberalismo

Roberto Giannetti da Fonseca, outro expoente horrível do neoliberalismo

Do 247, “O economista e empresário Roberto Giannetti da Fonseca, guru do governador Geraldo Alckmin, defendeu abertamente  a implementação rápida de uma agenda neoliberal em caso de eleição do tucano: “uma proposta de ampla reforma [DESTRUIÇÃO, para dar lugar aos bancos explorarem a previdência privada] da Previdência nos primeiros meses de 2019, usando ‘logo de cara’ o capital político do novo governo. Transformação da Petrobras em uma ‘corporação pura’, com ações pulverizadas em Bolsa e mantendo ‘golden share’ nas mãos da União, no horizonte do próximo mandato presidencial”, afirmou em entrevista”.

Conclusão: como todo neoliberal, Roberto Giannetti quer apenas destruir o Estado nacional e social, entregando os pedaços, por nada, para o grande capital privado. 

Ives Gandra Martins, horrível jurista neoliberal, opressor dos direitos trabalhistas

Colhi no 247 – “O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Martins, decidiu nesta segunda-feira manter a demissão em massa de cerca de 150 professores do Centro Universitário UniRitter/Laureate, que atua no Rio Grande do Sul; Gandra reformou sentença proferida pela primeira instância e manteve válida a norma da reforma trabalhista que dispensa autorização prévia dos sindicatos para efetivação de demissões”.

Ives Gandra Martins dá continuidade à linha de liberalismo econômico de seu pai, Ives Gandra. Dois juristas que servem aos interesses dos ultra ricos, e não defendem pobres, trabalhadores. 

A famiglia Bolsonaro, o candidato a pinochet, que quer Estado mínimo e Estado policial torturador

Colhi no 247 – “O deputado federal e pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seus filhos multiplicaram seu patrimônio desde que entraram na política, segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo.

Bolsonaro e seus três filhos que exercem mandato, Eduardo, Carlos e Flávio, são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões em pontos valorizados no Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca.

Os apartamentos e casas foram comprados, na última década, com preço abaixo da avaliação da Prefeitura à época na cidade, segundo a Folha. Quando entrou na política, em 1988, Bolsonaro declarava ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes de pequeno valor.

Até 2008, a família declarava à Justiça Eleitoral bens em torno de R$ 1 milhão, o que incluía apenas 3 dos atuais 13 imóveis.

As principais aquisições ocorreram nos últimos dez anos. A evolução patrimonial dos quatro se mostra, portanto, acelerada. Todos se dedicam hoje apenas à política”.

Além disso, completa o 247, “Na reportagem em que denuncia a multiplicação do patrimônio de Bolsonaro e três de seus filhos, a matéria detalha também que o deputado estadual Flávio Bolsonaro entrou na política com um Gol 1.0, em 2002, e 15 anos depois tem dois apartamentos e uma sala que, segundo a prefeitura do Rio, valem R$ 4 milhões; ele realizou operações envolvendo 19 imóveis na zona sul do Rio e Barra”. 

 

Igreja Universal e parte da Assembléia são seitas difusoras do neoliberalismo econômico, não têm uma ética social

Jerry Falwell, CIA, Adam Ulam, Sarah Palin, Richard Pipes, Hayek, Milton Friedman, Jimmy Swaggart, Ralph Reed, Reverendo Moon, Rex Humbard e outros autores estão na mesma trincheira, a trincheira do liberalismo econômico, das multinacionais, do grande capital, dos trustes e cartéis.

A Igreja Universal, de Edir Macedo, com a Rede Record, tal como vários ramos da Assembléia, é apenas uma cópia da Coalização Cristã e da CBN (“Christian Broadcasting Network”), nos EUA, sendo também continuação do “modus operandi” da CIA apoiando a Seita Moon, que também controlava meios de produção. O mesmo para a TFP, que foi apenas uma teleguiada da CIA, por vários anos. 

Esta linha neopentecostal neoliberal segue os passos de expoentes da direita, como Barry Goldwater (candidato a presidente em 1964, pelo Partido Republicano), tal como de homens como George Wallace, o general Curtis LeMay, William Buckley, a Klux a Sociedade John Birch, John McCain e outras pragas, como Trumpo.

O “trabalho” de gente como Moon e outros foi feito, no Brasil, por pessoas como Aníbal Reis (que escreveu um livro atacando a “Teologia da libertação”) ou Edir Macedo.

Alvaro Dias quer destruir Estado social e entregar tudo ao grande capital

Do 247 – “Refundar a República com a “reforma de estruturas, com a redução dos quadros e do aparelhamento, eliminando paralelismo, superposição de ações, com a redução de ministérios e de estatais”. Essa é a proposta do presidenciável pelo Podemos-PR, Alvaro Dias, ex-PSDB; “Temos hoje 149 empresas estatais federais. Com exceção daquelas estratégicas, do setor de energia, temos de privatizar praticamente todas elas. E reduzir o tamanho do Estado de cima abaixo: ministérios, secretarias, diretorias, departamentos, cargos comissionados. Enxugar pra valer”, disse ele”.

Ou seja, o grande capital privado teria todos os bens importantes, todo o poder.

Não é um programa social, e sim um programa para os ultra ricos, entreguista, privativista, letal ao povo. 

William Waack e Rachel Sheherazade, dois expoentes horríveis do neoliberalismo, cúmplices na exploração de milhões

Colhi no 247 – “Após a confirmação da demissão de William Waack da Globo após o comentário racista, o SBT, de Sílvio Santos, cogita contratar o jornalista para substituir o veterano Joseval Peixoto, que compunha o principal telejornal da casa com Rachel Sheherazade”.

E mais – “Seria o casal 20 do reacionarismo nacional. Silvio Santos é capaz de qualquer coisa. O único problema é que Waack não é particularmente conhecido por tolerar acéfalos”, diz o Diário do Centro do Mundo”.  

Sílvio Santos, expoente horrível do neoliberalismo, continua a fazer o mal

Colhi no 247 – “Michel Temer irá ao programa de Silvio Santos defender o projeto de Reforma da Previdência. Faz parte de uma campanha para popularizar o tema; informação é do colunista Lauro Jardim; aparição de Temer seria já neste domingo, véspera da votação na Câmara; como a reforma vai ficar mesmo para fevereiro, a ideia agora é que a ida de Temer se dê no último domingo de janeiro; pelos planos do Planalto, Silvio entrevistará Temer”. 

A morte da revista Veja, a pior e que mais mente, distorce e aliena as pessoas

A pior das revistas (o que é dizer muito, tendo em conta a ruindade geral…), a infame Veja, está morrendo. A expoente do neoliberalismo, a porta voz dos ultra ricos, está dizimando os jornalistas que a ajudaram a dar o golpe, está demitindo em massa, como todos os capitalistas.

Colhi no 247 – “A Editora Abril, que edita Veja, revista que se especializou em atacar governos trabalhistas e prever o fim de Lula, anunciou internamente, nesta quarta-feira, mais um “passaralho”;  já se sabe de 130 demissões, que devem continuar até fevereiro; vários publicações deverão ser fechadas e, no mercado, fala-se na possibilidade de recuperação judicial; recentemente, o presidente Walter Longo foi demitido pela família Civita e substituído pelo diretor jurídico, Arnaldo Figueiredo Tibyriçá – num sinal de que a editora prepara a renegociação de suas dívidas com o mercado”. 

O tal de bolsonaro cipaio, neoliberal, capacho dos EUA

O tal de bolsonaro quer acabar com a legislação trabalhista, privatizar praticamente tudo, diminuir tributos sobre ricos, aumentar poder de polícia, colocar na cadeia uns cinco milhões de pessoas, quer abrir as fronteiras para o imperialismo, beijar as mãos dos executivos das multinacionais, adorar os rapazes da CIA etc. 

Um sujeito que elogia um torturador tem sérios problemas. Um sujeito que odeia os gays (não sou fã dos gays, claro, mas são pessoas, que não devem ser odiadas) e ataca quilombolas, índios etc é uma tragédia, uma desgraça como político. 

O sujeito quer abolir o Estado social, as estatais, as leis sociais e a democracia popular. Enfim, tudo o que a Doutrina da Igreja defende, bolsonaro odeia. Cipaio do imperialismo, do neocolonialismo. Os cipaios, na Índia, eram os nativos recrutados para servirem de cãezinhos de guarda do imperialismo, para venderem o próprio povo, atuando para reduzir o próprio país à situação de colônia, de escrava. 

Eugênio Gudin, um dos piores neoliberais do Brasil, servo das multinacionais

Como explica Darcy Ribeiro, no livro “Aos trancos e barrancos” (2 edição, p. 1906), Eugênio Gudin, um dos piores e mais entreguistas economistas do Brasil, iniciou a carreira trabalhando para a Light, “e nunca mais desmama das tetas das multinacionais que sangram o Brasil”.

Gudin foi Ministro da Fazenda do traíra Café Filho, após o golpe contra Getúlio Vargas, em 1954. A Light foi uma das piores multinacionais que operaram no Brasil, controlando vastas porções da mídia e dos políticos.

— Updated: 20/02/2018 — Total visits: 21,808 — Last 24 hours: 63 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas