Arquivos para : Desigualdade, sinônimo de Injustiça, iniquidade, Maldade pura

Desigualdade social iníqua

Resultado de imagem para charges contra capitalismo

A desigualdade obscena, letal, genocida, cf. Dowbor

“A desigualdade atingiu níveis obscenos”.

“Quando oito indivíduos são donos de mais  riqueza do que a metade da população mundial, enquanto 800 milhões de pessoas passam fome, francamente, achar que o sistema está dando certo é prova de cegueira mental avançada”.

“Essas oito famílias donas de fortuna produziram tudo isso? Ou simplesmente montaram um sistema de apropriação riqueza por meio de papéis? E como isto é possível? São donos de papéis financeiros que rendem”. 

Situação obscena da desigualdade social

Segundo a ONU, 435 famílias têm uma riqueza pessoal igual à renda anual de metade da população mundial. A própria ONU chamou isso de situação “obscena”. Os neoliberais, adoradores de ricos, acham bom e “natural”. 

Franklin Roosevelt, em 1942, fixou o imposto de renda de 94% sobre rendas acima de 200 mil dólares. Hoje, os ricos, nos EUA, só pagam, quando pagam, algo como 17,5%.

Os empresários do Brasil estão isentos de imposto de renda, sobre os dividendos e pro labores, situação que só existe no Brasil, praticamente. Os grandes empresários são parasitas sociais. 

Impostos de renda alto, alíquotas altas e diferenciadas, e impostos de herança, e sobre patrimônios, são ótimos remédios sociais. 

O mesmo vale para boas estatais, ampla intervenção e regras públicas de economia, rendas estatais para pessoas pobres, BBC, estatização dos bancos, apoio estatal ao cooperativismo, apoio estatal às micro, pequenas e médias unidades econômicas familiares, ajuda estatal aos camponeses (subsídios agrícolas), ajudas estatais às famílias grandes e à natalidade etc. E outras boas ideias, adotadas nos países do Norte da Europa, com 40 anos de governos socialistas. 

Anthony B. Atkinson, um grande escritor e pesquisador humanista, contra a desigualdade social

O livro “Desigualdade, o que pode ser feito?”, de Anthony B. Atkinson (São Paulo, Ed. Leya, 2015), é um dos melhores que já vi. Traz ideias simples para diminuir as desigualdades sociais. Especialmente tributar mais os ultra ricos e ricos. E criar formas de ajudas estatais, como renda básica e cidadã (renda universal), herança para todos (uma soma dada a todos, quando fizerem dezoito anos), ajuda do Estado a doentes e a necessidades especiais etc. 

Um livro programático, de economia mista. Um livro que Galbraith iria apreciar.

Akinson foi o professor do grande Thomas Piketty, outro autor que Alceu Amoroso Lima iria adorar ler. 

— Updated: 15/11/2018 — Total visits: 40,851 — Last 24 hours: 49 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas