Arquivos para : Bons livros que recomendo

O nacionalismo de Gamal Abdel Nasser. Economia mista

Tenho enorme apreço por Gamal Abdel Nasser. Claro que acho que ele deveria ter feito uma aliança com os trabalhistas de Israel, para assegurar a criação pacífica do Estado da Palestina, em vez de adotar guerras. Mas, o que me faz apreciar Nasser está no seu livro, “A Revolução no mundo árabe” (São Paulo, Ed. Edarli, 1963), que une os livros “A filosofia da revolução” e “O povo no poder”. 

Na página 191, Nasser destaca que o Estado do Egito e da Síria, a RAU, deveria ter os grandes meios de produção, mas não a estatização geral da economia, e sim apenas dos grandes meios de produção. A mesma fórmula de Pio XI, na “Quadragesimo anno”, de 1931. 

Nasser queria desenvolver “um setor público” que orientasse “o progresso em todos os domínios”, tal como um “Plano do desenvolvimento”. O “setor privado” deveria existir “sem exploração”, participando “do desenvolvimento, dentro do plano geral”. O Estado deveria ter “as estradas de ferro, estradas de rodagem, portos, aeroportos, energia elétrica, represas, transportes por mar, terra e ar” (os grandes meios de transporte), “e outras obras públicas”, tal como “os bancos”, minas, o controle do “comércio externo” etc. A mesma fórmula de Getúlio, de Perón, de Cárdenas, Nehru, Sukarno, dos sandinistas e outros. A mesma fórmula apoiada pelo Padre Cícero, que elogiava, no final da vida, os sandinistas.

Na agricultura, Nasser distinguia “a propriedade exploradora” (latifundiária) e a “não exploradora” (camponesa). Queria uma “Reforma agrária”, limitando a propriedade particular a “cem feddans”. Queria que o Estado criasse “taxas progressivas de prédios urbanos” (IPTU progressivo) e controle dos aluguéis, com uma política habitacional que assegurasse a todos moradia. 

Estas ideias são sempre atuais. No fundo, é o mesmo modelo bíblico, do Evangelho e de Moisés, do trabalhismo, de Platão nas “Leis”, de Aristóteles, dos estoicos, dos budistas, dos confucianos, do melhor do hinduísmo, do catolicismo, do luteranismo, do melhor do anglicanismo etc. São ideias bem próximas do “New Deal”, de Roosevelt, do socialismo democrático, da democracia popular, do nacionalismo etc. 

Ler Rex Stout, caminhando no sol. Paraíso na terra rs.

Resultado de imagem para rex stout

Os livros de John Perkins, sobre os males do capital financeiro

Os livros de John Perkins mostram bem como o imperialismo é genocida, uma forma de assassinato de economias, de povos. Desvenda o mundo tenebroso e diabólicos das altas finanças, do capital financeiro. 

Especialmente obras como “Confissões de um Assassino econômico” e “Enganados”, editados pela Ed. Cultrix, no Brasil. São obras que recomendo muito, pois desvendam a abominação do capital financeiro.

O grande Jacques Maritain, um grande erudito, filósofo e político católico, em prol de uma democracia popular

Resultado de imagem para jacques maritain

Um livro magistral de Enrique Dussel

Resultado de imagem para Enrique dussel

Outro livro magistral de Medeiros Lima, “Petróleo, energia elétrica, siderurgia: a luta pela emancipação”.

Alguns livros que recomendo muito, pois contêm ideias que esposo

“Chatô, o rei do Brasil”, de Fernando Morais. As “Memórias” de João Alberto Lins de Barros. Dois livros de João Calmon, “Duas invasões” e “O livro negro da invasão branca”, editados em 1966, denunciando a Rede Globo, como Rede controlada pelo imperialismo, pelas multinacionais dos EUA. O livro de Epitácio Caó, “Carlos Lacerda, carreirista da tradição”. Textos e livros de Neiva Moreira, bom nacionalista. 

As biografias de Getúlio, escritas por seus filhos, Alzira Vargas do Amaral Peixoto e Luthero Vargas. É muito bonito que dois filhos tenham redigido biografias do grande Getúlio Vargas. 

Os livros de história de Hélio Silva, pois descrevem bem a linha getulista, trabalhista, nacionalista, de Getúlio Vargas. Foram escritos com base nos arquivos de Alzira, dados a Hélio Silva.

Os livros nacionalistas de Osny Duarte Pereira, especialmente “Ferro e independência” (Rio, Ed. Civilização Brasileira, 1967).

Todos os livros de Alceu e de Barbosa Lima Sobrinho. 

Recomendo principalmente o livro de Medeiros Lima, “Memórias improvisadas”, biografia de Alceu, feita por um grande getulista. Foi editado pela Editora Vozes, em 1973. Obra magistral, que mostram bem que o pensamento de Alceu tem como objeto uma boa democracia popular, nacionalista, popular, socialista democrática, de economia mista, distributista, basicamente o projeto do Trabalhismo no Brasil. 

Recomendo todos os livros de Noam Chomsky, pois há luzes e boas ideias em seus textos

Recomendo a leitura de todos os livros de Noam Chomsky. Trata-se de um escritor elogiado corretamente por jornais como “The Guardian”, “The New York Times” e também pelo Suplemento literário do Times. Chomsky mostra como a oligarquia da mídia mente, como o imperialismo dos EUA opera trazendo desgraças ao mundo.

Recomendo o livro de Luis Mir, “Partido de Deus”, que é ruim, mas tem bons pontos

Luís Mir, no livro “Partido de Deus” (São Paulo, Ed. Alaúde, 2007), ataca a doutrina não-capitalista da Igreja, expondo a vasta influência da Igreja, especificamente da CNBB, no MST, no PT e no campo da esquerda. Luís Mir e Roberto Romano atacam, no fundo, a doutrina social da Igreja, que busca construir um Estado democrático popular, não-capitalista, de democracia popular, de economia mista, com distributismo.

O ódio ao populismo faz parte do ideário da CIA. Isto foi demonstrado em outras postagens deste blog, com os textos do perverso Alan Greenspan.

“O criminalista”, de Vinícius Bittencourt, obra que também recomendo muito

O livro de Vinícius Bittencourt, “O Criminalista” (Niterói RJ, Ed. Impetus, 2010, 7 a. edição), é uma obra excelente, escrita em 1979. Como explicou Rogério Greco, o linguajar que mistura termos da literatura policial com termos técnicos é cativante. Obra que denuncia o sistema prisional e mesmo as injustiças da Justiça, especialmente o poder dos juízes, quando o correto seriam júris, onde o povo teria participação na aplicação do Direito.

Pular para a barra de ferramentas