Arquivos para : A “Fórmula” Alceu-Dom Hélder-A LUTA SAGRADA P UM AMPLO ESTADO SOCIAL, DEMOCRÁTICO POPULAR PARTICIPATIVO, ECON MISTA, PROTEÇÃO AOS MICROS

O velho Marx gostava tanto de São Tomás Morus, que adotava o apelido de “Mouro”, “Morus”, na família

Em 2000, João Paulo II declarou São Tomás Morus como “Patrono dos Estadistas e políticos”. Vejamos o texto de João Paulo II:

Para onde marcham os neoliberais e direitosos penais, para o Inferno, claro

Resultado de imagem para charges políticas

A Venezuela tenta construir um amplo Estado social e econômico, para erradicar a miséria e a reificação. Chavez foi um HERÓI DO POVO

Colhi este texto sobre a VENEZUELA, no site do PCB, o texto é de Simon de Beer

“ODiario.info

Um belga faz uma viagem turística à Venezuela. Mas o estado de espírito de férias não o torna indiferente a uma realidade bem diferente da que os grandes meios de comunicação querem fazer passar. Abre os olhos e ouvidos para conhecer as pessoas num país que está a mudar, atravessando grandes dificuldades econômicas e a constante ingerência e ameaça do imperialismo e dos seus cúmplices. Uma Venezuela tão livre que, num setor inteiramente privado como o do turismo, os guias turísticos têm carta-branca para mentir sobre o seu próprio país.

Primeira observação: as conquistas da revolução bolivariana são impressionantes.

Falamos muito pouco e é uma pena. Na menor aldeia remota há uma escola pública totalmente gratuita (equipamentos e refeições incluídas para crianças). O analfabetismo foi erradicado e a Venezuela é atualmente o quinto país do mundo com a maior taxa de acadêmicos. Em todos os lugares as pessoas usam orgulhosamente o fichário colorido da Venezuela, recebido na escola ou na universidade.

Um sistema de saúde – totalmente gratuito – cobre todo o país. Em uma pequena ilha de 2000 habitantes onde passamos alguns dias, há um mini-hospital, com dentista, ginecologista e até um pequeno laboratório. “Todo cuidado é gratuito “, lê-se em seis idiomas na entrada. Tendo ambos contraído um vírus perigoso, fomos recebidos a um domingo, sem marcação e sem esperar, e sem pagar um centavo apesar de sermos estrangeiros. “Na Venezuela a saúde é um direito garantido constitucionalmente”, explicou orgulhosamente a enfermeira que cuidou de nós.

Caracas, a capital, tem um metro moderno e… gratuito (uma boa lição para aqueles que afirmam que tornar mais barato o transporte público em Bruxelas é impossível).

Centenas de milhares de unidades de habitação social foram lá construídas. Favelas inteiras foram literalmente transformadas em moradias. Pudemos visitar um bairro totalmente novo, inaugurado no ano passado. Em todo o país, estamos a falar de 2 milhões de novos lares desde 2012.

No nível democrático, também foram feitos grandes progressos. As pessoas reapropriam-se literalmente da política. Comités de vizinhança foram criados em todos os lugares para lidar com questões locais. As pessoas estão sempre satisfeitas em discutir política. “Antes de Chávez, vivíamos numa democracia de fachada “, explicou um taxista. Antes de acrescentar: “Mas também tem que conversar com outras pessoas, para formar a sua própria opinião.”

Os nativos deixaram de ser considerados cidadãos de segunda classe.” Chávez trouxe-nos o direito ao trabalho e o direito à educação “, disse um membro de uma comunidade indígena na região de Canaima. ” Antes, simplesmente não tínhamos qualquer direito.”

As pessoas estão passando por uma crise muito difícil.

Graças à política social do governo, às lojas sociais, às cantinas, à medicina gratuita, etc., as pessoas não vivem na miséria e não morrem de fome, como regularmente lemos nos nossos meios de comunicação (esse é o caso em outros países da América Latina). No entanto, não podemos negar que os tempos são difíceis. O poder de compra é consideravelmente limitado. Os preços estão subindo constantemente e a moeda está perdendo valor apesar dos aumentos salariais regulares. Que é uma dor de cabeça real de base cotidiana.

A origem desse problema vem dos grandes grupos privados, que ainda controlam a maior parte da economia, e que durante quatro anos travaram uma guerra econômica muito dura contra a Venezuela. Um pouco como foi o caso em 1973 contra o Chile de Allende.

Isso também se deve ao fato de a economia da Venezuela continuar muito dependente do petróleo e estar lutando para desenvolver um setor produtivo nacional e independente. Este é obviamente um dos grandes desafios do governo.

Como resultado, mesmo que o atual presidente Maduro continue a ser muito popular – como as últimas eleições mostram – uma parte do povo é seduzida pelo discurso da oposição de direita, que está surfando num certo nível de descontentamento e espera voltar ao poder.

E a então a oposição?

Muitas vezes ouvimos nos nossos meios de comunicação que a Venezuela é uma ditadura, onde a oposição é amordaçada. Algumas horas no local provam diretamente o contrário. 90% dos canais de TV estão nas mãos da oposição. Todos os dias há críticas ao governo. As pessoas expressam-se livremente (gostam de discutir, quaisquer que sejam as suas opiniões). Os circuitos turísticos são amplamente dominados pela oposição. E não hesitam em dizer-vos todo o mal que pensam de Chávez e Maduro, com uma má-fé por vezes desconcertante.
Alguns pequenos trechos seleccionados das nossas conversas:

” Antes vivíamos num bairro apenas com pessoas decentes, bem-educadas. Mas o governo construiu habitações sociais e agora há pessoas pobres no bairro. Nós deixamos de estar seguros. Se o governo pedir, eles atacar-nos-ão à pedrada. Veja como penduram as suas roupas nas janelas! Não são civilizados. ”
“Antes vivíamos num país com valores. Houve meritocracia. Hoje todos podem ir para a universidade e ter um emprego. O resultado é o nivelamento por baixo. ”
” Antes de Chávez, vivíamos bem. Encontrávamos tudo o que queríamos nas lojas. Podia-se escolher entre 10 marcas para cada produto. O país não conhecia a crise.”

NB: antes de Chávez, havia uma taxa de pobreza de 80% … Essa taxa caiu para 26% em 2014 (antes da crise actual).

Em suma, o que está acontecendo na Venezuela não é sobre “democracia”, como lemos nas nossas mídias. A grande maioria das pessoas nunca desfrutou de tanta liberdade como hoje (política, educacional, social e econômica, cultural e outras).

O que está acontecendo na Venezuela é um conflito entre duas categorias sociais opostas: as pessoas de um lado, os privilegiados ricos do outro lado.

As pessoas que tentam levantar a cabeça depois de décadas de miséria, procurando o seu próprio caminho para o progresso social.

Os ricos, apoiados por multinacionais estrangeiras e pelos Estados Unidos, que se recusam a ver fugir os seus velhos privilégios. Eles não suportam ver a riqueza colossal da Venezuela entrar em programas sociais em vez de no seu bolso. E estão prontos para fazer seja o que for para derrubar o governo.

Pela minha parte, sem idealização, a Venezuela continua sendo uma inspiração para aqueles que repetem incansavelmente que não podemos investir em habitação social, desenvolver o transporte público ou baixar os custos de educação e formação e da medicina. Embora nem tudo seja perfeito, a Venezuela mostra-nos à sua maneira que outras escolhas são possíveis. E por isso mesmo, merece a pena fazer um desvio e passar por esse país.

Fonte: https://www.investigaction.net/fr/venezuela-ce-quon-ne-verra-pas-a-la-television/

https://www.odiario.info/a-venezuela-que-nao-sera-vista/

Governos petistas conseguiram 31 mil farmácias no Programa Farmácia Popular

Do 247 – “governo federal descredenciou 1.729 drogarias em todo o país do Programa Farmácia Popular, conforme publicação desta sexta-feira (18) da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, no ‘Diário Oficial da União’ (DOU). O número equivale a mais de 5% do total de 31 mil unidades”.

Existem 75.000 farmácias no Brasil e Lula e Dilma conseguiram credenciar 31 mil, quase a metade, para fornecer medicamentos essenciais gratuitos ou quase gratuitos, ao povo. 

Outro trecho bom de LaRouche, embora eu tenha dúvidas sobre ele

Tirei o texto de um dos discursos de LaRouche – “…o Congresso, fazendo uso de sua autoridade constitucional, tem de emitir bilhões de dólares em crédito a juros baixos para obras selecionadas de infraestrutura, no interesse vital da nação. Necessitamos de ferrovias de alta velocidade e maglev [de levitação magnética], energia nuclear, gestão de águas, novos hospitais e o conserto de nossas estradas e pontes. Este tipo de obras deve ser financiado com um orçamento de capital a 1 ou 2% de juros, autorizado pelo Congresso”.

Roberto Saturnino Braga elogiando o BNDE de Getúlio Vargas e de JK, com apoio do ISEB e da CEPAL

O Plano de Metas do JK incorporou de uma forma mais prática as ideias discutidas no Iseb [Instituto Superior de Estudos Brasileiros]. Foi gente ligada essencialmente ao BNDES que concretizou aquela fórmula teórica, que era o Plano de Metas.

Brasília não estava na cabeça de ninguém, nem do Iseb, nem do Cepal, nem do BNDES. Ninguém cogitava mudar a capital para lá. O Juscelino marcou o seu governo com esse investimento. Na época, foi muito criticado, inclusive, dentro do BNDES.

A gente não entendia muito bem, achávamos que era mais um negócio político do Juscelino. Não acreditávamos que iria dar em grande coisa.

Hoje, eu vejo, quando viajo por Mato Grosso, norte de Goiás, Tocantins e Pará, o crescimento daquela região; é um espanto! Nenhum dos formuladores teóricos captou aquela possibilidade, só o Juscelino”.

Roberto Saturnino Braga, engenheiro, ano do depoimento: 2002

Grande Marielle, indo para a Vida eterna, banhada em vermelho, lutando pelos favelados

Estado social, mais programas de renda básica, de difusão dos bens e da renda

Imagem relacionada

Padre Camilo Torres, mártir e lutador do povo, da América Latina

Imagem relacionada

As ligações entre catolicismo, radicalismo, socialismo democrático e trabalhismo, apontadas por João XXIII, quando era núncio, em Paris

Os textos de João XXIII, Édouard Herriot, Leon Bourgeois e dos radicais mostram a reaproximação entre catolicismo, trabalhismo, socialismo democrático, radicalismo e democracia

Sobre as afinidades (pontos comuns) entre catolicismo, democracia popular-social ou participativa, radicalismo, nacionalismo, socialismo reformismo e solidarismo, apontadas em vários textos brilhantes de Gramsci, há um bom texto na biografia de João XXIII, publicada, no Brasil, com o título “João XXIII” (São Paulo, Editora Três, 1974, p. 133):

“Um dos amigos de Dom Roncalli na capital francesa foi o socialista Édouard Herriot. As entrevistas dos dois eram freqüentes e nas reuniões a que compareciam, ambos eram vistos em animadas palestras, que deixavam confusos os que conheciam as idéias e tendências que pareciam colocar um e outro em posições antagônicas”.

“Numa de suas habituais conversas, Dom Roncalli [o futuro papa João XXIII] citou várias passagens do teórico radical Leon Bourgeois, para confirmar a tese que defendia, deixando admirado o velho socialista, que não podia acreditar que entre os livros de leitura do núncio pudessem figurar as obras daquele autor”.

“Dom Roncalli disse-lhe, em tom de brincadeira, que era bem pouco o que os separava e parece que Herriot acabou se convencendo disto, pois no fim de sua vida decidiu voltar à Igreja Católica, da qual se afastara na mocidade. Influência de Dom Roncalli”.

Édouard Herriot (1872-1957) foi Premier do Gabinete de Ministros franceses (1924, 1925, 1926 e 1932, tal como presidiu a Assembléia Nacional Francesa, em 1947).

Herriot listava, como “ilustres antepassados” do radicalismo, homens como: Voltaire, Condorcet, Diderot, Benjamin Constant, “o grande e querido Lamartine, religioso mas anticlerical”, Ledru-Rollin, Camille Pelletan, Leon Bourgeois (1851-1925) e outros nomes.

Bourgeois foi autor da linha solidarista do radicalismo, do socialismo democrático. Uma linha extremamente próxima do solidarismo cristão (no Brasil, hoje, havia inclusive o Partido Humanista da Solidariedade, com este ideário, bem exposto pelo padre Fernando Bastos de Ávila, no livro “Solidarismo”).

Dos autores referidos por Herriot como sendo os antepassados do radicalismo, somente Diderot foi, numa fase da vida, tudo indica, ateu. O próprio Diderot, durante quase toda a vida, foi teísta e há historiadores que dizem que morreu panteísta, ligado às idéias de Sêneca, dos estóicos e meio spinozista. Spinoza era profundamente religioso, como mostram todos seus textos e o mesmo ocorre com Marilena Chauí, sua ilustre discípula, no Brasil.

Jean Antoine Condorcet (1743-1794) era jusnaturalista, sendo inclusive fisiocrata (no apreço ao campesinato, ponto que será revivido no populismo russo e americano, no século XIX). Da mesma forma, eram jusnaturalistas autores como: Volnei (“A lei natural”, 1793); Kant; o padre ex-jesuíta Raynal; Rousseau; Montesquieu; o padre Sieyès; Jean-Jacques Burlamaqui (“Princípios do direito natural”, 1747); John Locke (“Segundo ensaio sobre o governo civil”, 1690); Henri David Thoreau (“Desobediência civil”, 1849); Schiller; José Martí (“A idade de ouro”, 1889); Vattel; e milhares de outros democratas, o que, só por si mesmo, prova a tese deste meu blog sobre os pontos comuns entre catolicismo e socialismo democrático e trabalhismo.

Os textos do padre Sieyés, do velho marquês de Mirabeau, de Marat, Robespierre, Danton, Saint-Just, dos jacobinos, Paine, Jefferson, Benjamin Franklin, dos carbonários, Buonarrotti, Lamennais, Mazzini, Quinet, Mickiewiez e outros também abonam a ligação entre democracia, jusnaturalismo e religião.

Em 1781, Condorcet escreveu “Reflexões sobre a escravidão dos negros”, atacando a escravidão, na mesma linha de Bento XIV, em 1751, tal como dos jesuítas.

Condorcet, no livro “Esboço de um quadro histórico dos progressos do espírito humano” (1794), ensinou que o processo histórico é movido pela luz da razão, pelos ditames da razão, da verdade. Ele dividiu a história em dez épocas e soube ver na Idade Média a origem (na verdade, a retomada) do governo representativo. Nestes pontos, como em outros pontos, Condorcet retomou as idéias antigas da Igreja e coincide perfeitamente com o catolicismo. Tal como Chateaubriand, Condorcet ensina que o governo representativo desenvolveu-se na Idade Média, com o movimento das comunas, a partir do século XI.

A Igreja destaca, no processo histórico, o papel da razão natural das pessoas e também a ação do “Noous”, uma Inteligência Suprema (o Espírito Santo) que coordena e movimenta tudo, por mediações, agindo com a colaboração humana.

Esta foi a lição de Pio VI, na carta decretal de 10.03.1791, onde escreveu que “a natureza dotou especialmente o gênero humano” com “a razão”, “pela qual ele se distingue dos outros animais” e que o ser humano tem, pelo livre arbítrio (“em mãos do seu próprio alvedrio”, cf. Eclo. 15,15-16), o poder de escolher entre “o bem e o mal”. Ou seja, a inteligência formula racionalmente os juízos sobre a bondade das condutas, elabora os preceitos naturais e racionais para uma vida digna, em harmonia com o bem comum e se os atos da vontade (as condutas) se adequam a estas regras racionais, a conduta é boa. A prática dos “preceitos” (das regras racionais e benéficas a todos) é salvífica (“se os quisesse observar, estes o salvassem”) e, assim, nas palavras de Pio VI, “o homem já desde o começo” deve “ordenar a sua vida segundo a norma da razão, da humanidade e da religião”. As pessoas devem “reunir-se em sociedade civil” e, para tal, devem “constituir uma forma de governo, em virtude da qual os direitos da liberdade fossem circunscritos pelas leis [positiva] e pelo poder [pelo Estado]”, para assegurar o bem comum, ou seja, condições de vida plena para todos.

Pio VI lembrava Santo Agostinho, citando o seguinte texto deste santo: “é, pois, um pacto geral da sociedade humana” (“Confissões”, livro III, cap. VIII) a obediência. A obediência legítima nasce de um “pacto” implícito, do consentimento, da liberdade, de atos da vontade que se movem em torno “do que é reto e justo”, de regras exigidas pelo bem de todos.

Condorcet era girondino. O mesmo vale para políticos e escritores como Thomas Paine, Faucher, Lanjunais, Vergniaud ou Brissot, o que demonstra que existiram bons girondinos e explica parte do elogio do excelente livro de Lamartine, autor ligado à Igreja. A maior parte dos jacobinos era teísta, como prova a vida de Robespierre.

Condorcet deixou bons textos, mas também cometeu o erro de contrapor a noção de direitos naturais à noção de bem comum (ou utilidade maior da sociedade), pois escreveu que “tudo deve tender não à maior utilidade da sociedade, princípio vago e fonte profunda de leis ruins, e sim à manutenção do gozo [fruição, uso no sentido lato] dos direitos naturais”.

Na época, os que falavam em interesse da sociedade usavam este argumento para legitimar a monarquia centralizada, daí o erro de Condorcet. Ele deveria ter entendido que o “gozo” (satisfação) dos “direitos naturais” é a satisfação das necessidades e aspirações humanas, ou seja, “a maior utiidade da sociedade”, o bem comum.

Condorcet acertou ao esposar o jusnaturalismo e, nisso, seus textos são ainda atuais. Mas, ele deveria ter visto que a defesa dos direitos naturais abrange a defesa dos direitos das famílias, das unidades de vizinhança, de trabalho, das cidades, enfim, da sociedade em todos seus “círculos” (como viu Pontes de Miranda) e que os direitos pessoais devem ser protegidos e tutelados, mas limitados pelo bem comum, como apontaram inclusive velhos papas como Pio VI e Pio VII, ao criticarem o individualismo da “Declaração dos Direitos do homem e do cidadão” de 1789 (que tem muito trigo e algum joio, também).

Sobre os erros individualistas – por exemplo, a propriedade quiritária, o grande capital e a livre concorrência, as bases do capitalismo, por causa principalmente dos fisiocratas, ideólogos dos capitalistas e dos latifundiários – no bojo da “Declaração dos direitos do homem”, de 1789, há um bom trecho do documento “A doutrina social da Igreja na formação sacerdotal”, da Congregação para a Educação Católica (1989, editado no Brasil, pela Vozes). O texto diz: “a Pacem in Terris, além de fundar os direitos do homem sobre a lei natural inerente à Criação e ordenada para a Redenção, corrige um certo aspecto individualista da concepção tradicional da reciprocidade dos direitos-deveres, inserindo-os num contexto de solidariedade e sublinhando as exigências de ordem comunitária que ela comporta”.

Assim, a doutrina da Igreja recomenda a preservação dos direitos naturais da pessoa, mas dentro dos limites do bem comum, regrados pelo bem da sociedade, no bojo de uma visão de todo (que preserva as partes, como a concepção do corpo místico), “sublinhando” (ressaltando) os direitos da sociedade, do povo.

Herriot dizia que os radicais eram “filhos dos jacobinos”. Estava correto e vale a pena lembrar que Robespierre, Louis Antoine de Saint Just (1767-1794, republicano socializante que presidiu a Convenção e era firmemente teísta) o bispo Henrique Gregório (1750-1831), Jean-Paul Marat (discípulo de Rousseau, logo, jusnaturalista com fundamentação religiosa) e o padre Jacques Roux tinham boa religiosidade. Este ponto também foi destacado por Gramsci, em seus cadernos do cárcere. Além disso, há o Círculo Social, liderado por outros dois bispos católicos. 

O bispo Henrique Gregório foi o primeiro a prestar juramento à constituição civil do clero em 1789 (que tinha bons pontos como a eleição dos bispos, mas erros de ingerência do Estado na Igreja, como apontaram os Papas), participou no Parlamento, votou pela condenação de Luís XVI e foi o primeiro a reclamar, como deputado e bispo, a instauração da República.

Gregório defendeu os judeus e obteve, em 1794, principalmente por seus esforços, a abolição da escravidão, defendendo os negros e escravos. Em 1794, foi devido principalmente a seus esforços que o Estado da França aboliu a escravidão. Defendeu a criação pelo Estado do Instituto, do Conservatório de artes e ofícios etc. Esteve na oposição contra o belicismo de Napoleão e se opôs à Restauração dos Bourbons. Teve uma morte cristã, assistido pelo abade Guillon. Deixou livros como “Ensaio histórico sobre as liberdades da Igreja galicana”, “Anais da Religião, 1795-1803” e outras.

Conclusão: o movimento romântico, o socialismo utópico, o socialismo democrático, o movimento democrático, o solidarismo, o nacionalismo e outras correntes mostram bem que o catolicismo acolhe tudo o que há de bom e verdadeiro nestas correntes.

— Updated: 19/09/2018 — Total visits: 35,466 — Last 24 hours: 119 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas