Arquivos para : A “Fórmula” LuizF: erradicar a OLIGARQUIA dos multimilionários e dos bilionários, trustes e cartéis, rentistas. 0,001% dos mais ricos. Estado deve ERRADICAR estas e OUTRAS macro fortunas privadas

Bolsauro, paleoliberal, direita asquerosa, covarde, com ódio a adolescentes negros etc

FHC e Pinochet, dois entreguistas, neoliberais, a serviço do Grande Capital internacional, das Multinacionais

pinochet e fhc.jpeg

O Corvo Petro Parente, hiper entreguista, vendilhão dos ativos estatais, dos ativos do povo

Petroparente.jpg

A República, sob o ataque dos Corvos e Abutres, do grande Capital transnacional, as malditas multinacionais

Editora Abril vai cortar <BR>300 cabeças!

A mentira da teoria do gotejamento, as sobras dos ricos são pífias e as apropriações dos ricos são da ordem de trilhões

Os CEOs, Executivos, do Brasil, alguns ganham 60 milhões por ano, escárnio aos pobres

Do 247 – “Brasil devolveu 1,2 milhão de famílias ao fogão a lenha e 50 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha de pobreza,

ao mesmo tempo, grande empresas privadas pagam salários milionários a seus diretores; segundo dados da Vale, divulgados nesta segunda-feira, 25, o executivo mais bem pago do País em 2017 foi Murilo Ferreira, ex-presidente da mineradora; ele recebeu quase R$ 60 milhões no ano

Multinacionais e latifúndios são os maiores inimigos do povo

A Doutrina da Igreja defende a igualdade social, que a sociedade seja organizada para todos terem bens, em média quantidade, mediania. Como Galeno explicava, sem falta, sem excesso. Equilíbrio, harmonia, mediania, justa medida. 

A expressão “aurea mediocritas” (mediania áurea, dourada), de Horácio, em “Odes”, II, 10,5, foi acolhida pela doutrina da Igreja e foi devidamente apreciada (tal como as obras de Horácio) pelos Santos Padres e por diversos Papas.

Uma situação de mediania (ter os bens suficientes para uma vida digna e feliz) é a condição social preferível, sob o ponto de vista da virtude (do uso racional das faculdades humanas) e para atender ao princípio da igualdade social. 

Aristóteles, na “Ética a Nicômaco”, fez excelente apologia da mediania, da igualdade social. Este apreço foi acatado pelos Santos Padres e escolásticos devido a identidade de idéias com a Bíblia. Da mesma forma foram acatadas frases como “em tudo deve haver uma medida” (de Plauto), no caso, a necessidade de bens para uma vida digna.

A mediania decorre do princípio da igualdade social.

Para isso, o principal é eliminarmos os latifúndios e o capital monopolista.

Especialmente as multinacionais (umas 35.000, com mais de 200.000 filiais, embora umas 700 multinacionais tenham imenso poder, sendo as piores sanguessugas celeradas do planeta, com destaque para os grandes bancos, a Shell, a Exxon e as grandes empresas de informática, Google, Intel, Microsoft, IBM, Apple, Sansung e outras), que devem, numa fórmula de transição, ter o direito de remessa de lucros drasticamente controlado, como queria Sérgio Magalhães e outros da antiga Frente Parlamentar Nacionalista (o direito de remessa foi cerceado por Getúlio alguns meses antes de ser levado ao suicídio, tal como foi cerceado por João Goulart, razão do golpe militar de 1964).

Da mesma forma, as multinacionais devem ficarem sujeitas a formas de planejamento público participativo.

Estas monstruosidades – o capital monopolista e o latifúndio – são intoleráveis no prisma ético e devem ser abolidas mesmo, pois é inadmissível que existam estes monopólios privados (latifundiários, trustes e cartéis privados, especialmente multinacionais) ainda mais apoiados por governos estrangeiros (CIA, Agência de Segurança Nacional etc), corrompendo os servidores públicos e a cultura nacional.

E ainda por cima explorando nossos recursos naturais e nossos trabalhadores, pagando aos mesmos quantias dez vezes menor que as pagas por estes mesmos trabalhos nos países de origem das multinacionais (pagavam 27 vezes menos, pagando cerca de 20 centavos de dólares a hora a trabalhadores latinos enquanto pagavam uns 5 ou 6 dólares, a hora, nos EUA) .

A praga dos multimilionários, sem ética, entreguistas de primeira água

Do 247 – “Henrique Meirelles, com apenas 1% nas pesquisas, está disposto a financiar “integralmente” sua campanha pelo MDB: R$ 70 milhões;

ele diz que “a fase de sangue e lágrimas já foi superada”; multimilionário, apenas em 2016, às vésperas de se tornar ministro de Temer, recebeu R$ 217 milhões a título de “consultoria”

Neoliberais e coxinhas, robos (adoradores) do grande capital, deificam os ricos

Malditos privatizadores

— Updated: 13/02/2020 — Total visits: 64,941 — Last 24 hours: 26 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas