Fernando Brito mostra como Bolso é burro, centralizador, sem educação, sem tatos. É o mesmo que por uma Besta surtando numa loja de cristais. Apenas DESTRÓI e gera ódio nas próprias fileiras

Não dá para listar aqui a multidão de demitidos do governo Bolsonaro em apenas cinco meses.

Na semana que se encerra, dois presidentes de estatais (Correios e BNDES), um de órgão relevante (a Funai) e um ministro de Estado foram para a rua em três dias [3 generais…].

Exceto pela “missão” dada ao substituto do general santos Cruz, de financiar a “bolsonosfera”, pouco ou nada se sabe do que se pretende para os comandos tornados vagos.

É especialmente grave o caso do BNDES, praticamente o único órgão de fomento econômico do Estado brasileiro, hoje.

Levy, sabe-se, opunha-se a uma descapitalização velor do banco, para arranjar recursos  meramente contábeis para melhorar as contas, sem efeito monetário, porque eram títulos do Tesouro, perdoem o pleonasmo, entesoudados, apenas em caixa.

É claríssimo que o corpo técnico do banco está retraído e isso atrasa o pouco que se tem de financiamento à economia produtiva.

No caminho do PIB Zero, isso é um desastre maior do que seria em tempos mais prósperos.

Mas não é só no BNDES. Em todas as áreas do governo, impera um clima de medo, quase terror.

Ser “dedurado” como esquerdistas, cair na desgraça do grupo olavista ou na do próprio Presidente é algo que trava ainda mais os órgãos públicos já travados pela escassez de recursos.

É um método primário de administrar, o de governar pelo medo e não pela liderança.

O autoritarismo presidencial aumenta a paralisia da administração.

Comentários estão fechados.

— Updated: 11/09/2019 — Total visits: 58,220 — Last 24 hours: 80 — On-line: 1
Pular para a barra de ferramentas