A constituição mista, de Platão, Aristóteles e dos estóicos

Como explicou Otfried Hoffe, no capítulo “Aristóteles”, do livro organizado por Alain Renaut, “A liberdade dos antigos – história da filosofia política” (Lisboa, Instituto Piaget, 2001, p. 165), o ideal político de Aristóteles era a democracia, por uma constituição mista, uma “politeia”, uma boa República Popular. O termo “politéia” significa “república”. Como explicou Aristóteles, no livro “Política” (IV, 13, 1297 b 24), “aquilo a que hoje chamamos politéia [República} se chamava antes democracia”. Hoffe concluiu corretamente que “o pensamento republicano” tem Aristóteles como “teórico mais importante”. Aristóteles explicou no livro “Política” que o povo tem mais competência do que qualquer sábio isolado (cf. III, 11, 1281).

O ideal de uma “Politéia” (“República”) é o ideal de uma Polis (Cidade) onde o Estado seja coisa do povo.

República significa “res” (bens) do “populus” (“pública”, de povo). Este foi o ideal de Platão, exposto nos livros “Leis”, “Da República” e “Protágoras” e foi o ideal de Aristóteles, exposto no livro “Política”. Foi também o ideal de Políbio, dos estóicos, dos grandes romanos, elogiados por Rousseau, Maquiavel, Napoleão e outros autores. 

Comentários estão fechados.

— Updated: 22/07/2018 — Total visits: 30,872 — Last 24 hours: 42 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas