Igreja e Paidéia em prol da democracia popular, com economia mista etc

A Igreja também recepcionou os melhores textos dos Proculianos (Labeão e outros grandes juristas), de Sêneca, Horácio, Epíteto, Virgílio, Augusto, Quintiliano, os dois Plínios, Tácito, Galeno (129-199 d.C., um grande platônico-aristotélico eclético), Plutarco (que exerceu enorme influência na Revolução Francesa, diga-se de passagem), Gaio, Ulpiano, Papiniano e tantos outros. 

Emílio Papiniano, por exemplo, foi morto a mando de Caracala porque não quis prostituir a ciência jurídica, justificando um homicídio. Pietro Bonfante redigiu um grande elogio a Papiniano, no livro “Storia del diritto romano” (3ª. ed., Roma, 1934). O melhor do direito romano foi recepcionado pela Igreja, como fica claro nos textos de Justiniano e de outros imperadores cristãos, tal como de reis bárbaros cristãos. Os melhores textos do direito romano contêm a teoria política democrática dos gregos, dos romanos e da Antiguidade. Ensinam que o povo é o legislador natural, que o povo deve autodeterminar-se. E o melhor da Paidéia, como a Bíblia, dizem que o governo deve ser popular, democracia popular, com economia mista, com justiça social, distributismo, com difusão dos bens, com bens públicos, estatais, controles públicos da economia, bom sistema tributário etc. 

Comentários estão fechados.

— Updated: 13/02/2020 — Total visits: 63,709 — Last 24 hours: 36 — On-line: 0
Pular para a barra de ferramentas